A Pequena Ilha da Escócia – Jenny Colgan


As histórias de Jenny Colgan são como uma brisa fresca adentrando pela janela, é como se aventurar num mar calmo a bordo de uma jangada ou caminhar com os pés na areia olhando o pôr do sol, com certeza uma experiência para guardar no coração. Seus livros têm a leveza e a delicadeza de uma vida simples, seus personagens apesar de serem quase reais em seus traumas e desventuras eles envolvem e deixam o leitor encantado com suas trajetórias de vida.

Acho que consegui passar quase de forma poética todas as sensações e emoções que senti ao ler mais um livro dessa autora que me encanta e que figura no rol das minhas autoras preferidas dos últimos tempos. Jenny Colgan consegue prender o leitor de uma maneira sutil, suas histórias são simples, leves, mas é impressionante como ela nos pega pela mão e coloca dentro do enredo a ponto de nos fazer desejar ser um dos coadjuvantes da história pelo simples desejo de participar, de conhecer aqueles lugares tão bem descritos e fazer parte daquele universo criado para encantar o leitor. Eu, particularmente quero conhecer a Ilha Mure. #Prontofalei

Temos aqui a história de Flora MacKenzie uma advogada que tenta ganhar a vida em sua profissão em Londres, desde que trabalha no escritório do famoso Joel Binder ela nutre uma paixonite por ele, mesmo consciente que ele jamais teria olhos para ela, já que ele além de viver para o trabalho só é visto na companhia de beldades da moda, mulheres estonteantes.

Mesmo tendo fugido de sua terra natal e sem desejo nenhum de voltar ela se vê obrigada a cumprir uma ordem de trabalho e retornar a Mure, a pequena ilha da Escócia, um lugar que traz lembranças dolorosas e a fará encarar seu passado de frente.

Um enredo simples numa história que encanta por sua simplicidade. Mure é um paraíso na terra e é quase um personagem da trama. É possível visualizar suas praias, suas planícies, seu céu azul e seu mar tranquilo e, claro, desejar imensamente adentrar nesse cenário maravilhoso que a autora descreve com conhecimento de causa, já que Mure saiu dos seus mais belos sonhos, um lugar fictício que é quase real de tão bem descrito.

Amei cada personagem que nos é apresentado, me apaixonei pelo lugar, pelo fio condutor da trama e, claro, pelo final que deixou meu coração quentinho. Não tem como sair dessa leitura sem trazer Mure e muito menos Flora, Joel, Michael, Fintan e tantos outros personagens para nossa vida. Confesso que vou sentir saudades deles e de todas as emoções que senti ao ler A Pequena Ilha da Escócia, mais um livro que recomendo sem medo de errar.

Leia e apaixone-se também!

Flora MacKenzie tem certeza de que ter fugido de Mure, a pacata ilha escocesa onde cresceu, para a cidade grande foi uma escolha certeira.

Afinal, em Mure todo mundo a conhece desde que ela se entende por gente, e ninguém a deixaria esquecer o passado. Em Londres, ela pode ser anônima, ambiciosa e se entregar à paixão sem futuro pelo seu chefe bonitão, o advogado Joel.

Mas quando um novo cliente do escritório exige a presença de Flora em Mure, ela é obrigada a conviver de novo com seus irmãos (todos fortes, rústicos e aparentemente incapazes de executar tarefas domésticas básicas) e seu pai.

Nessa volta forçada às raízes, Flora descobre um amor pela culinária que dá um novo sentido à sua vida. Logo fica claro que, para escrever sua história do jeito que quer, ela terá que aprender a perdoar os erros que já cometeu.

9 comentários

  1. Acredito que seja um livro muito interessante de ler
    .
    Feliz semana… abraço poético
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  2. Este livro parece ser tão leve né amiga, uma leitura aconchegante para uma tarde jogada no sofá. Amo estas capas desta coleção, uma mais linda que a outra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma leitura leve e muito agradável, como todos os livros da Jenny.
      Também gosto de todas as capas dessa coleção, mas tem uma que é minha queridinha, depois te conto qual.
      Bjs

      Excluir
  3. Leninha, você descreveu de forma tão linda! É assim que eu me sinto quando pego um livro que me faz viajar e renovar as energias. Conheço outros lugares sem sair de casa e é quase como se eu estivesse lá sem nunca ter ido presencialmente. Eu tinha salvado esse livro na minha lista da Amazon, parece ser uma história encantadora e o tipo de romance que eu amo. Obrigada por me lembrar dele. Cherinhos de livro novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou da maneira que escrevi a resenha, mas a culpa é do livro, ele é inspirador.
      Não deixe de ler esse livro, recomendo todos os livros dessa autora.
      Bjs

      Excluir
  4. Começar uma resenha assim de forma tão poética faz bem aos olhos e ao coração!!! Já li um livro da autora e meio que concordo com tudo isso.
    Acho que o foco principal do enredo seja o recomeçar, coisa que precisamos nos lembrar diariamente!
    Não é apenas o romance, a viagem, o deixar a alma mais leve,mas também entender que mesmo que tudo pareça meio ruim, pode melhorar..e vai!!!(fé sempre)
    Com toda certeza é um livro que ainda quero muito sentir!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou da resenha, com certeza irá gostar ainda mais do livro.
      Você precisa sentir esse livro, leia!
      Bjs

      Excluir
  5. Olá! E lá vamos nós nos aventurar em mais uma “viagem” que somente os livros são capazes de proporcionar. Eu sou completamente apaixonada por essa coleção e cada novo livro fico aqui com o coração quentinho e a certeza de que histórias lindas virão, só pela resenha também já fiquei empolgada para conhecer essa ilha e de quebra entender melhor a história da Flora.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos serão respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!