Em Cartaz – Um Amor de Filme: As Minas do Rei Salomão

Hoje trago para vocês mais um filme de sucesso da década de 1980. Para quem não conhece As Minas do Rei Salomão é um filme norte americano do gênero ação/aventura que teve sua estréia em 1985. Seu sucesso foi tanto que originou a sequência Allan Quatermain e a Cidade do Ouro Perdido, em 1986.
Essa foi mais uma aventura vivida pelo belo (pelo menos na época) Richard Chamberlain, famoso por ter vivido na pele de Padre Ralph, na série Pássaros Feridos, em 1983. Quem não conhece?!

Allan Quatermain (Chamberlain) é um caçador de tesouros que vive sempre em busca de aventura, ele concorda em se unir a bela Jesse Huston (Sharon Stone) em uma missão para localizar o seu pai arqueólogo, que foi raptado pelo seu conhecimento das minas lendárias do rei Salomão. Como os sequestradores, liderados pelo oficial alemão, o sinistro militar Bockner, viajam pelas selvas da África, Allan e Jesse têm que ir atrás deles lutando com nativos ferozes e perigosas criaturas, entre outros obstáculos.

O filme tem muita ação, vilões perversos e uma bruxa de causar arrepios, tudo isso regado com uma pitada de romance e, claro, com a performance mais que primorosa da bela Sharon Stone e nosso eterno Padre Ralph, que fazem dessa aventura algo difícil de resistir.

Eu amo esse filme, sempre que assisto fica aquela saudade imensa da época onde bons filmes eram produzidos sem a ajuda de grandes efeitos especiais e mesmo assim não ficavam devendo em nada em qualidade. 

Acredito que esse filme foi visto por milhares de pessoas e que todas elas guardam boas recordações. Se você não assistiu não sabe o que está perdendo. Super recomendo.

8 comentários:

  1. Olha issoooo!!! Do fundo do baú! Tem um livro também né? Eu nunca li, mas já vi em Sebos. O filme assisti quando era criança, mais de uma vez, lembro pouca coisa, mas com certeza lembro da sensação gostosa de assisti-lo e pra mim é isso que deixa um filme inesquecível!!!

    Beijão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem livro sim, mas nunca vi ele em lugar nenhum. Assisti tanto na minha adolescência que lembro dele quase inteiro, rsrsrs
      Com certeza inesquecível.
      Bjs, Van!

      Excluir
  2. Chamberlain tá tão novinho.rs
    Eu também sou apaixonada nesse e também nas Minas do Rei Salomão e perdi as contas de quantas vezes vi.
    Ação e aventura pra deixar Tomb Rider com inveja..rs
    A época mais gostosa do cinema e como era emocionante assistir no Cinema em Casa ou Sessão da tarde(faz tempo que deixaram de passar)
    São filme épicos, eu diria!!!
    O romance?? Fica até bobo no meio de tanta explosão.rs
    Beijo e obrigada por sempre alegrar meu e tantos corações!!!!

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Novinho e gato, esse era o padrão de beleza da época, não precisava ser bombado para ser um herói dos filmes de aventura, quem o diga o Indiana Jones na pele de Harrison Ford, gordinho e com barriguinha, e mesmo assim nos fazia suspirar, não é?!
      Mas falando do filme, ele é bom né?! Rsrsrsr
      Bjs

      Excluir
  3. Leninha!
    Padre Ralph (Richard Chamberlain) foi um dos meus primeiros crushs na adolescência, acho que assisti Pássaros felizes quinhentas milhões de vezes e só depois de alguns anos é que fui ler os livros.
    E claro, quando As minas do Rei Salomão entrou em cartaz, não pude deixar de conferir, e, deppois assiti algumas reprises na TV. Sharon Stone nem era tão famosa ainda na época, mas já era bem linda.
    É um filme que tem todos os elementos que gosto, romance, ação, uma pitada de comédia, enfim, bom demais.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Padre Ralph foi crush de muitas meninas, rsrsrsr
      O filme é bom demais, valeu a pena a recordação.
      Bjs

      Excluir
  4. Olá! Ahhh esse pelo menos eu já assisti, confesso que há muito tempo (risos), uma boa oportunidade para fazer um revival. É impressionante como os filmes, mesmo com poucos recursos, eram maravilhosos e não ficam para trás em relação ao hoje neh!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Elizete.
      Concordo com você, eles não precisavam de muitos recursos, valia muito o talento dos protagonistas e da equipe que montou e fez de tudo para tornar o filme inesquecível.
      Bjs

      Excluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos serão respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos