O Livro dos Abraços - Eduardo Galeano

O Livro dos Abraços, do uruguaio Eduardo Galeano, é um sopro de calma dosado em pequenos fragmentos; mas não é só isso. É sobre como tudo é passível de sensibilidade se visto como tal; mas não é só sobre isso. É como se a beleza e a ternura se misturassem com a dor e o combate; mas está além disso também. 

A prosa de Galeano, especialmente nesse livro, é sempre muito, porém sem excessos. O título do livro, por si só, nos serve como abertura para esperar o que de fato se encontra: vários abraços, vários afagos, várias trocas de carinho, reflexão e até um pouco de melancolia - que não soa descabida, é verdade. 

Através de fragmentos da existência que observou (de dentro e de fora) o autor transcreve várias pequenas narrativas que sempre - ou quase - nos deixa pasmos com tamanha precisão. Precisão no que dizer, no que quer dizer e no como dizer. Por isso encanta, seja falando sobre o exílio, seja falando sobre o riso silencioso de uma criança. Tudo, no livro, é matéria de observação atenta. 

E cada coisa parece transmutar na mão do leitor. Eu arriscaria dizer que o livro é "maleável", ele, com certeza, ressoará em você de modo diferente. Porque essa também é sua força de escrita: cada um de nós seremos tocados de um jeito porque temos nossas próprias experiências - que, inevitavelmente, se misturam com as do autor. 

Não por acaso o livro também nos traz experiências visuais incríveis, com ilustrações que, por vezes, beiram a irrealidade e flertam com o absurdo - de uma maneira extremamente positiva. Logo, toda a tentativa de Galeano nesse livro é bem sucedida; e que bom que podemos ter acesso a isso. 

O autor é bastante crítico a todo o processo de colonização da América (contexto presente em muitas de suas obras, algumas dedicadas inteiramente a isso) e, por mais que se proponha a ser um livro menos denso e mais sutil, essa não deixa de ser uma marca em O Livros dos Abraços

E ele abraça a gente por isso e por tanto muito. Muito tudo, na verdade. Como a vida deve ser, cheia de cicatrizes, fissuras e momentos de felicidade sublime. 

É bonito ler Galeano e, mais bonito que isso, se perceber capaz de compreendê-lo. 

Boa leitura!
Tratar a memória - sua memória pessoal e a nossa memória coletiva, da América - como coisa viva, bicho inquieto: assim faz Eduardo Galeano quando escreve. Ele mostra que a história pode - e deve - ser contada a partir de pequenos momentos, aqueles que sacodem a alma da gente sem a grandiloquência dos heroísmos de gelo, mas com a grandeza da vida.
Assim é O livros dos abraços. EM suas andanças incessantes de caçador de histórias, Galeano vai ouvindo tudo. O que de melhor ouve ele transforma em livros como este, onde lebra como são grandes os pequenos momentos e como eles vão se abraçando, traçando a vida.
"A memória viva", diz Galeano, "nasce a cada dia". Ele diz e demonstra em livros como As veias da América Latina, Dias e noites de amor e de guerra, a trilogia Memórias do Fogo, Bocas do tempo, Palavras andantes, Futebol ao sol e à sombra e neste O livro dos abraços. Nada que possa ser dito é capaz de chegar perto da beleza e da emoção que estas páginas contêm. Abra este livro com cuidado: ele é delicado e afiado como a própria vida. Pode afagar, pode cortar. Mas seja como for, como a própria vida, vale a pena.

5 comentários:

  1. Ah como eu amo enredos assim, que chegam de mansinho e nos abraçam! O título da obra já é um convite, a abraçarmos a vida e com isso, a nós mesmos!
    Ainda não conheço as letras do autor, mas já deu aquela vontade de conhecer não somente este livro,mas outros mais!
    A vida é um eterno abraçar!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
  2. Oi Ronaldo. Eu tentei ler este livro há uns 10 anos atrás, não consegui, mas acho que isso vai muito de momento, talvez aquele não fosse o meu momento. Hoje já mais madura, acredito que esteja preparada para a leitura. Tenho o livro em casa, uma edição da L&M Pocket e é muito bonita, sou apaixonada pela capa dele. Quero me encantar com a leitura assim como você se encantou...

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Ronaldo!
    Tive oportunidade de ler um livro do autor quando fazia faculdade e ele sempre mostra sua grande paixão por mostrar o quanto a sociedade se une e trabalha de forma diferenciada de acordo com as vivências pessoais e do local onde se vive.
    E acredtio que é justamente por isso que ele toca nossos corações de alguma forma e há uma identificação.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Olá! Confesso que ainda não conheço a escrita do autor, mas depois de uma resenha dessas, mas um título desses fica difícil não querer ler (risos). Está sendo bem bacana conhecer esses novos autores e histórias, que talvez, passassem batidos em um primeiro momento por mim.

    ResponderExcluir
  5. Logo no começo da sinopse quando eu vi que o autor era uruguaio me despertou muita atenção porque um dos meus objetivos para 2020 é ler mais autores que não sejam Ingleses ou americanos e fazer um tipo de copa do mundo de literatura kkk. Mas pelo que eu vi da história do livro ele é mais voltado para poesia e esse é um gênero que não consegue me prender pois eu não tenho a alma sensível necessária para se interpretar poemas e certas metáforas mas aparenta ser um ótimo livro

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos serão respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos