Imperfeitos - Cecelia Ahern

E cá estou eu saindo completamente da minha zona de conforto para tentar curar uma depressão pós-leitura. Já faz mais ou menos duas semanas que não consigo ler nada, já iniciei a leitura de três livros, que apesar de ótimos, não fluíram. Sempre digo que quando estamos com problemas em casa, ou de saúde fica quase impossível nos concentrar, e é assim que estou, ou estava, nesse momento. 

Não estranhem o livro escolhido, apesar de ser uma distopia, algo que não leio regularmente, o que me fez voltar os olhos para esse livro foi a autora. Sou super fã de Cecelia Ahern e esse livro já estava na estante há muito tempo. Tomada a decisão iniciei a leitura no fim de semana. Olha, não imaginava que eu conseguiria ler tão rápido, mas a história fluiu de uma maneira que eu não esperava. Então, vamos falar um pouco sobre ela.

Imperfeitos retrata um universo onde, como o nome já diz, todos precisam ser perfeitos, não se perdoam erros, nada é tolerado, o mínimo deslize pode acarretar algo terrível, como a prisão ou uma marca para o resto da vida. Todos os ditos “imperfeitos” são excluídos da sociedade, vivem à margem, sendo considerados sujos, invisíveis. 

Nossa protagonista se chama Celestine North, ela vive uma vida perfeita, é a filha e aluna que a sociedade aplaude, sem falar que unido a isso ela ainda tem o namorado perfeito. Mas nem tudo são flores quando Celestine se deixa levar pelo instinto, e esse seu ato é imperdoável.

Apesar de a história fluir muito bem, devo confessar que eu fiquei na expectativa de uma reviravolta, algo que deixasse a leitura ainda mais empolgante, apenas imagine uma sociedade que trata pessoas por sua perfeição e descriminaliza e exclui os imperfeitos, e que termina com a certeza de que outro livro ainda será lançado com o desfecho?! Isso mesmo, Imperfeitos é uma duologia. Devo confessar que foi meio que um balde de água fria no meu entusiasmo. 

A realidade é que Imperfeitos é uma história quase perfeita, não fosse o pormenor de ser uma duologia, depois de toda a expectativa que se cria para o final da trama ainda ter que aguardar a sequência da história deixou aquele desconforto. Mas sendo sincera, apesar disso eu amei a história, uma realidade incrível que mexe com os sentimentos e com nossos valores. O livro chega a ser inspirador.

Mais uma vez rendo elogios a Cecelia Ahern e sua coragem de ousar se aventurar em um novo gênero. Aqui está sua chance de conhecer um lado dessa autora incrível que talvez poucos conheçam. A autora me surpreendeu positivamente e criou uma imensa expectativa para o desenrolar da trama. Agora só resta esperar o próximo livro.

Celestine North vive em uma sociedade que rejeita a imperfeição. Todos aqueles que praticam algum ato julgado como errado são marcados para sempre, rechaçados da comunidade, seres não merecedores de compaixão.
Por isso, Celestine procura viver uma vida perfeita. Ela é um exemplo de filha e de irmã, é uma aluna excepcional, bem quista por todos do colégio, além do mais, ela namora Art Crevan, filho da autoridade máxima da cidade, o juiz Crevan.
Em meio a essa vida perfeita, Celestine se encontra em uma situação incomum, que a faz tomar uma decisão instintiva. Ela faz uma escolha que pode mudar o futuro dela e das pessoas a seu redor.
Ela pode ser presa? Ela pode ser marcada? Ela poderá se tornar, do dia para a noite Imperfeita?
Nesta distopia deslumbrante, a autora best-seller Cecelia Ahern retrata uma sociedade em que a perfeição é primordial e quem cometer qualquer ato falho será punido. A história de uma jovem que decide tomar uma posição que poderá custar-lhe tudo.

11 comentários:

  1. Bom dia amiga!!!
    Bem, você sabe que eu super me identifico com o seu gosto literário e, assim como você, também pensava que este livro não me encantaria...bom, no meu caso ainda penso, já que ainda não li, mas também sou fã da autora e invariavelmente sempre amo os livros dela. Lendo a sua resenha e percebendo o quanto você gostou da leitura, não teria como não se interessar por ele. Concordo com você que livros únicos são muito mais perfeitos, me desanima quando vejo que um livro maravilhoso terá continuação...

    Beijo e boa semana. Van.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Van, você é uma das leitoras amigas que mais se identifica com minhas leituras, sei que o que eu gosto você ama e vice versa.
      Essa distopia é diferente, mas pega que é uma beleza. Me desanima as continuações ainda mais por ser um livro publicado pela NC que a gente sabe que anda meio que ruim das pernas no quesito publicações. Então desanima ainda mais não saber o tamanho da espera que ainda teremos.
      Eu gostei de verdade e acredito que você também gostará.
      Beijokas!

      Excluir
  2. Há tempos não lia o nome da autora e apesar de ter lido muito pouco dela, confesso que fiquei surpresa com o gênero do livro.
    Somos uma sociedade de imperfeitos.rs Fato! Por isso, só de imaginar essa perfeição toda, dá um nó na garganta.
    Mas pelo que pude entender, a protagonista é forte e determinada, ponto positivo!
    Hoje em dia ando preferindo livros únicos também, mas mesmo assim, senti vontade em conhecer este primeiro livro!!!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na Flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cecelia Ahern é única, quando ela escreve coloca a alma na escrita e impressiona, não importa o que escreva.
      Você vai gostar do livro, Angela.
      Beijos!

      Excluir
  3. Leninha!
    Nem consigo imaginar ficar duas semanas sem conseguir ler nada, acho que nunca tive essa tal ressaca literária.
    E fico bem feliz que foi uma distopia que conseguiu tirá-la da inércia.
    A autora é genial e saber que tudo gira em torno de uma sociedade perfeita (embora não consiga enxergar isso), e que o livro só não é perfeito por ser uma duologia, já é interessante.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Rudy, ficar sem ler é muito ruim, e tentar ler e não conseguir é pior ainda.
      Mas tá passando...
      Beijos!

      Excluir
  4. Olá! Ahhh quando a ressaca bate eu sempre recorro ao bom e velho romance de época é certeza de que a leitura flui (risos). Distopias também são sempre bem-vindas, o gênero me agrada e esses mundos cheios de mistérios e incertezas e as vezes tão assustadoramente parecidos com a nossa realidade que dão um toque ainda mais sombrio a leitura. Essa não está tão longe assim do nosso dia-a-dia, onde tudo e todos precisam da tão desejada (por alguns) perfeição, acho que a única parte negativa mesma é ter que ficar aguardando a continuação, ai ai haja ansiedade (risos).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre preciso sair da zona de conforto para deixar a ressaca passar, romance de época não flui quando estou assim.
      Você vai gostar do livro, caso dê uma chance a ele.
      Beijos!

      Excluir
  5. Bom dia tudo bem ? Ainda nao conhecia esse livro alias nunca li distopias E um genero que por enquanto nao chama tanto minha atençao
    Pode ate ser que eu venha a gostar do genero e tambem tem o fato de que eu conheça poucos titulos nesse genero entao ate para adquirir fica complicado mas aos poucos vou aumentando meus conhecimentos a respeito de obras nesse genero
    Que bom que a leitura foi satisfatoria para voce tirando o fato de ser duologia e pelos menos voce realuzou duas coisas ao ler esse livro
    Saiu da sua zona de conforto e começou a sair da ressaca literaria
    Que bom nao e mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Eliane, acho que você só vai saber de distopia é para você se pegar um para ler. Mas entre na leitura com a mente aberta, se nas primeiras 100 páginas rolar afinidade vá em frente, caso não, vá em frente mesmo assim, rsrsrs
      Beijos!

      Excluir
  6. Eu sempre adotei para mim mesmo o conceito de nunca esperar muito de uma leitura Porque caso ela seja ruim eu não tinha tantas expectativas e caso livro seja bom eu vou ficar duplamente surpresa e extasiada e foi o que aconteceu com esse livro e já que eu era acostumada aos romances bobinhos Que essa autora escrevia como o livro simplesmente acontece e PS Eu Te Amo mas a história chega quase ser uma distopia que contagia você e mesmo sendo um livro complexo é aquele que quando você fecha ele para dar uma pausa você tem vontade de voltar a ler ele e isso é o que mais me chama atenção no livro

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos serão respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos