Entre Irmãs - Frances de Pontes Peebles

Quando soube da publicação desse livro fiquei completamente eufórica, ainda mais quando vi que ele seria adaptado para o cinema, com duas atrizes que admiro e acompanho. Só que boa leitora como sou não podia ler o livro depois de ver o filme, gosto sempre de comparar, ver as diferenças propostas na história e tal. Então, assim que recebi o livro já passei na frente na leitura, porém... tive alguns contratempos e não consegui ler de imediato, então o filme foi lançado, a vontade de ir no cinema era imensa, mas resisti bravamente. 

Comecei a ler por partes, já que a história é bem descritiva e de certa forma forte. 

Ler Entre Irmãs foi mais que um presente, o livro é um riqueza em forma de páginas e mais páginas, onde o amor fica em segundo plano e a narrativa envolve o leitor de tal maneira que fica impregnado na gente.

Emília e Luzia são duas mulheres completamente diferentes, uma é doce e sonha com um grande amor, e em ser uma dama da sociedade, enquanto a outra só quer viver no seu cantinho, costurando e amando sua irmã. Mas o destino faz das suas graças e acaba afastando essas duas pessoas que só tem uma a outra na vida.

Luzia é levada por um grupo de cangaceiros e acaba descobrindo um mundo totalmente diferente. Já Emília tem seu sonho realizado ao conhecer Degas, um homem da cidade que pode transformar sua vida, tirá-la do sertão e finalmente tornar seu sonho em realidade.

Acho que a maioria das pessoas ou assistiu ao filme, ou a minissérie apresentada pela Globo no começo do ano, mas se não leu o livro sinto informar, você perdeu muita coisa. O livro é rico em detalhes e alguns fatos que foram retirados do filme que por menor que tenha sido fez aquela diferença. Se você já se decepcionou com alguma adaptação sabe do que estou falando.

Não tem como não se sentir em meio à Caatinga junto de Luzia e os cangaceiros, sentir toda a sua revolta, seus medos, e vê-la usar de toda a sua coragem para se manter viva num ambiente inóspito. E não tem como não ver pelos olhos de Emília o quanto seus sonhos eram vagos, pequenos diante de tudo pelo que viveu depois que saiu do sertão e o quanto ela precisava aprender em meio à sociedade que a tratava como uma reles nordestina pobre e sem classe.

E temos tanto para descobrir nessa história, tantas nuances que vão deixando o leitor apaixonado, hipnotizado e refém dessa história única e enriquecedora. Eu amei cada página e me senti mortificada com o seu final.

Não entendo como as pessoas ainda preferem os filmes, já que os livros são tão ricos, tão mais profundos do que eles. Então, sendo assim, deixo aqui meu conselho: quer realmente conhecer a história de Luzia e Amélia? Leia Entre Irmãs, garanto que você vai se apaixonar.

Nos anos 1920, as órfãs Emília e Luzia são as melhores costureiras de Taquaritinga do Norte, uma pequena cidade de Pernambuco. Fora isso, não podiam ser mais diferentes.
Morena e bonita, Emília é uma sonhadora que quer escapar da vida no interior e ter um casamento honrado. Já Luzia, depois de um acidente na infância que a deixou com o braço deformado, passou a ser tratada pelos vizinhos como uma mulher que não serve para se casar e, portanto, inútil.
Um dia, chega a Taquaritinga um bando de cangaceiros liderados por Carcará, um homem brutal que, como a ave da caatinga, arranca os olhos de suas presas. Impressionado com a franqueza e a inteligência de Luzia, ele a leva para ser a costureira de seu bando.
Após perder a irmã, a pessoa mais importante de sua vida, Emília se casa e vai para o Recife. Ali, em meio à revolução que leva Getúlio Vargas ao poder, ela descobre que Luzia ainda está viva e é agora uma das líderes do bando de Carcará.
Sem saber em que Luzia se transformou após tantos anos vagando por aquela terra escaldante e tão impiedosa quanto os cangaceiros, Emília precisa aprender algo que nunca lhe foi ensinado nas aulas de costura: como alinhavar o fio capaz de uni-las novamente.


6 comentários:

  1. O titulo original dele é A Costureira e o Cangaceiro, o titulo Entre Irmãs foi colocado por causa da minissérie da Globo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que o título pode ter sido dado por causa do filme, não seria isso? A minissérie é o filme em partes, que foi passado na Globo.
      Bjs

      Excluir
  2. Leninha!
    Acho importante o passado nordestino e toda história do povo sofrido, ser retratada tão fielmente nesse livro, ainda mais em época tão conturbada como a revolução.
    Como nordestina sinto o maior orgulho!
    E acredito que além do drama e romance o mais importante são as convenções que a época impunha e o momento político como pano de fundo.
    Deve ser um livro maravilhoso e quero assistir o filme também. Não assisti a série da Globo...
    Desejo um ótimo final de semana!
    “Meta para o Ano Novo? Ser feliz!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A narrativa mostra muito sobre o assunto, Rudy. Como eu disse, ele é bem rico nos detalhes. O livro é realmente muito bom, vale a pena ser lido.
      Bjs

      Excluir
  3. Assiste a série e fiquei impressionada, agora sua resenha me deixou muito curiosa com todos os detalhes que você disse que foram suprimidos dessa história que por si só já me deixou em frangalhos. Preciso comprar esse livro, preciso descobrir o que me foi tirado ao assistir na TV, preciso ler urgentemente.
    Valeu Leninha, você conseguiu outra vez. ai ai ai, haha.
    Beijos estrelados!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos