Série de TV - Barrados no Baile

No início dos anos 90, uma série estreava na televisão para marcar uma geração. "Barrados no Baile" mostrava a vida de um grupo de jovens moradores da elitista Bervely Hills, na Califórnia. O programa durou 10 temporadas e explorou o universo jovem abordando temas tabus na época, bem mais comuns hoje, como drogas, gravidez na adolescência, suicídio, depressão, anorexia e relacionamento entre pais e filhos.

A série foi exibida na Rede Globo no início da década de 90, apresentando pela primeira vez um programa voltado a retratar os conflitos do público adolescente. A série teve bastante audiência, e por ter um caráter inovador causou alguma estranheza em pequena parcela adulta brasileira, por abordar questões ligadas à primeira experiência sexual, numa época em que moças casavam virgens na década de 80. Recebeu críticas positivas, visto que cada episódio enfatizava questões educativas sobre prevenção de DST, crítica ao tabagismo e ao álcool, tendo mostrado o personagem Dylan participando de uma reunião de Alcoólicos Anônimos com o personagem Brandon.

Eu era completamente viciada na série e posso dizer com certeza que nunca perdi um episódio.  A série era exibida na Sessão Aventura nas terças-feiras, junto com outras séries populares em dias alternados: Supervik, MacGyver, Super Máquina, etc. Depois passou para os domingos, o que atrapalhou bastante minha “vida social” (risos), já que eu não saia de casa antes de assistir o episódio da semana.

Meu coração torcia pelo amor que nasceu entre Brenda e Dylan, atrapalhado pela esnobe e metida Kelly que não se contentava em hipnotizar o pobre Steve e nosso querido Brandon, e ainda ficava de olho no meu "Bob" Dylan.

O personagem mais sem sal, na minha opinião, era o Steve, ele sempre ficava em segundo plano, perdendo espaço até mesmo para o engraçado David e sua paixão pela linda e louquinha Dona. Essa, por sua vez, era uma das minhas personagens mais queridas, até cogitei colocar o nome da minha filha de “Dona”, mas aqui no Brasil isso seria motivo de piada, não é verdade?!
Outra personagem que tinha meu total apoio era a Andrea, sua paixão platônica pelo Brandon era igual a de todas as fãs da série, com a diferença que ela podia lutar por ele, rsrsrs.

Foram 10 anos acompanhando essa série tão amada, que perdeu um pouco de seu brilho com a saída da Brenda e a entrada da malvada Valerie, mas essa é outra história.

Quem acompanhou, com certeza tinha seu personagem preferido, se envolvia com os problemas familiares e amorosos desses personagens tão queridos que deixaram saudade.
Meu pesar pelo término da série, mas que rende hoje boas lembranças.

E vamos saber um pouco como estão nossos queridos personagens nos dias de hoje, 27 anos depois.

Shannen Doherty interpretou Brenda Walsh, mas teve que deixar a série na quarta temporada. Pelo visto não se dava muito bem com alguns de seus companheiros, algo que sucedeu de novo em Jovens Bruxas, série de muito sucesso que terminou sem uma de suas protagonistas que, assim mesmo, teve de ser substituída. Atualmente, a atriz está lutando contra um câncer de mama e nas redes sociais podemos ver a coragem com a qual ela afronta a situação.


Jason Priestley (Brandon Walsh), o irmão de Brenda. Sem dúvida era um dos rapazes mais bonitos da série, se não for o mais bonito. Participou na série até a nona temporada e depois disso continuou trabalhando como ator, porém nunca com tanto sucesso como nessa etapa. Colaborou em alguns filmes sem muito sucesso e em séries, como CSI, porém quase sempre com colaborações esporádicas.


Luke Perry (Dylan McKay) era o badboy de Barrados no Baile e durante muito tempo foi o namorado da Brenda. Foi embora da série na sétima temporada mas voltou na nona. Ao longo da sua carreira profissional não teve muitos sucessos. Atuou no filme O Quinto Elemento e participou em alguns programas de TV como convidado, mas nunca teve um personagem com tanta fama como com o Dylan.


Kelly Taylor junto à Brenda, eram as duas garotas mais bonitas de Barrados no Baile. O papel era interpretado por Jennie Garth, uma personagem que voltou na sua etapa adulta em Barrados no Baile: A nova geração, mas a série não teve o mesmo sucesso que a primeira versão. A primeira patricinha assumida da televisão não conseguiu repetir o sucesso da sua personagem da série nos outros trabalhos. Hoje, aos 46 anos, está em seu segundo casamento, com o ator Peter Facinelli. Eles têm duas filhas. A atriz também tem uma filha do primeiro casamento.


Tori Spelling foi uma privilegiada porque seu pai era o produtor e preparou para ela um papel especial. Dona Martin era quase perfeita, boa amiga, simpática e boa pessoa, e precisamente esse foi o papel da sua vida. Depois chegaram alguns filmes nada famosos, de fato, o mais destacado foi Scary Movie 2. Atualmente tem um reality no estilo Kardashian chamado True Tori.

Ian Ziering era Steve Sanders, o engraçadinho do grupo e amigo de Brandon. Ao longo dos anos, destacou-se, principalmente como dublador do desenho animado. Loiro, alto, bonito, hoje aparece cada vez menos. Mas, encontrou na voz o seu ganha pão. Dublou o personagem “Harry Osborn" (O Duende Verde) para o desenho do “Homem-Aranha” e também emprestou a voz para a série animada "Biker Mice From Mars" (O rato ciclista de Marte).


Brian Austin Green era David Silver, o mais jovem do grupo de amigos e namorado de Donna. Casou com Megan Fox e foi o que conseguiu mais fama depois da série ter terminado. Participou em filmes e séries destacadas como Desperate Housewives ou O Exterminador do Futuro: As Crônicas de Sarah Connor.


Gabrielle Carteris era Andrea Zuckerman, a mais responsável do grupo. A atriz era muito mais velha do que a personagem que encarnava, pois naquela época ela tinha 29 anos. Para ser breve: a garota vista como a mais feinha da turma - pelo look meio nerd, sempre de óculos e com os cabelos desarrumados - não teve muita sorte. Hoje, é praticamente uma dona de casa. Casada e com uma filha, nos últimos anos conseguiu apenas uma ponta na série "Nip/Tuck" e também a vimos em alguns episódios de Criminal Minds.

E para matar a saudade, segue o vídeo com a abertura original da série.



Fontes de pesquisa:
 

4 comentários:

  1. Saudades...assisti todos os episódios...e juntinhos com a família <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era bom assistir com a família né, Josele?!
      Bons tempos em que isso era possível.
      Bjs

      Excluir
  2. Eita Leninha!
    Onda de nostalgia, hein?
    Assisti muito e vez por outra, ainda assisto alguns episódios de reprise que passa na Warner.
    E como falou, a maioria não teve muita sorte após o termino da série, alguns fizeram utros filmes esporádicos sem muito sucesso e ooutros, nem isso... é a vida, né?
    Parece que a série ficou impregnada neles e mais nada deu certo.
    “A sabedoria dos homens é proporcional não à sua experiência mas à sua capacidade de adquirir experiência.” (George Bernard Shaw)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando a série impregna na pessoa é difícil desencarnar o personagem. Foi ótimo relembrar né, Rudy?!
      Bjs

      Excluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos