Romance + Sobrenatural + Erótico = Amor

Olá, vocês lembram quando começaram a gostar de ler compulsivamente? Eu lembro vagamente da vontade louca que eu estava de ler Crepúsculo, todas as minhas amigas estavam lendo e amando, e eu não tinha certeza se conseguiria ler um livro daquele tamanho, mas queria tanto tentar. Precisei me testar, li um livro do meu irmão – também adorado pelas mesma amigas –, Harry Potter e A câmara secreta. Deu certo, mais que certo, já que eu não parei de perturbar para ter todos os outros. A primeira vez que fui a Saraiva, consequentemente, foi para comprar o meu exemplar de Crepúsculo. Gente, nem sei quantas vezes eu vi aquele filme. Sabe o que é pior? Depois daí as coisas foram ladeira a baixo, como se eu estivesse andando de bicicleta sem freio.

Sim, sou uma criança proveniente da modinha dos vampiros. Eu li mais de 8 vezes O beijo das sombras, da Richelle Mead. O marco do meu amor vampiresco foi Entrevista com o vampiro e, logo em seguida, a paixão da minha vida se chamava Lestart. Porém, nada, NADA, jamais superou minha loucura por Irmandade da Adaga Negra. Já se passaram anos desde que eu li o primeiro livro, muitas ondas literárias surgiram e foram soterradas por outras, séries similares aparecem, meu amor por ficção-científica e fantasia surgiu. E, ainda, enlouqueço com cada livro, cada reviravolta, cada novo personagem e bifurcação da série. Aprendi, que eu tenho ‘uma coisa’ por séries assim. Séries que misturam romance ao sobrenatural, com personagens sensuais e passados tristes, que tenham um universo rico a ser desbravado, e vão sempre além das expectativas.

Houveram dois momentos em que precisei pensar sobre onde esses livros se encaixavam no contexto geral da Literatura. Sendo que o primeiro foi assim que comecei meu blog (4 anos atrás), e fui várias vezes questionada por minhas leitoras, e o segundo foi quando estava organizando pela primeira vez o evento de fantasia para a editora Arqueiro. O que tirei do primeiro foi que esses livros – que eu tanto adoro – são comumente conhecidos como Romances Sobrenaturais Eróticos pelos que o leem, e do segundo é que dentro da Literatura Fantástica há três vertentes e dentro de uma dessas há um subgênero chamado Romantic Fantasy, que envolve o sobrenatural e o erótico. Porém, mesmo que o livro pertença a essa classificação, não excluí de forma alguma que pertença à muitas outras também. O engraçado é que hoje eu estou desenvolvendo um projeto de pesquisa pela faculdade que envolve a semiótica das capas de livros de Literatura Fantástica...


Dada essa introdução básica, o que eu gostaria de mostrar hoje à vocês é algo que amo e que me acompanha desde que iniciei essa loucura por livros. Gostaria de apresentar várias séries que firmaram meu amor pela leitura, mas são tantas que tive que encolher pelo menos 5 e um punhado para serem citadas. Lembrando que elas podem ser Romantic Fantasy ao mesmo tempo ser algo mais. E, para essas 5 primeiras, gostaria de apontar alguns fatos: elas são narradas em terceira pessoa, cada livro da série trabalha um casal diferente e estão sendo publicadas no Brasil.

Irmandade da Adaga Negra – J.R. Ward
[Black Dagger Brotherhood]


“Nas sombras da noite em Caldwell, Nova York, desenrola-se uma furiosa guerra entre vampiros e seus assassinos. Há uma Irmandade secreta, sem igual, formada por guerreiros vampiros defensores de sua raça.”

Em Irmandade da Adaga Negra, temos vampiros como uma raça viva. Eles se reproduzem, tem crenças e vivem em monarquia até certo ponto. Eles são uma raça antiga, que evoluiu através dos séculos, ou seja, existem também ‘sub-raças’. O interessante disso é que esses outros tipos de vampiros vivem de forma diferente, tem crenças distintas e vivem em suas próprias comunidades localizadas ao redor de Caldwell. Parece até que a série se concentra em um pequeno espaço, mas na verdade ela se expandiu com o passar dos anos.

Uma das coisas que eu mais gosto sobre esta série é a forma como a J.R. Ward narra em terceira pessoa e constrói suas histórias como uma colcha de retalhos. A formula dela é de cenas curtas, como se fosse uma série de TV, onde você vê a história de vários pontos de vista, e não só do casal principal. Sendo assim, ela desenvolve muito bem os personagens dela. Você tem o protagonista, a protagonista, o vilão, o personagem que vai ser destaque daqui 4 livros, o personagem que já foi destaque. É como se ela estivesse mostrado a realidade do dia a dia, nem sempre vai ser tudo bem depois do felizes para sempre. Isso se a definição dela de felizes para sempre for o casal junto no final... nem sempre é.

Midnight Breed – Lara Adrian
[Midnight Breed]


“Parte humana, parte de outro-mundo, a Raça tem vivido entre a humanidade há milhares de anos, a manutenção de uma paz provisória construída em sigilo, poder e justiça obscura realizada pelos guerreiros formidáveis da Ordem.”

Ah... mais uma série de vampiros. O QUÊ?

Okay, pode até não ser tão incrível como Irmandade da Adaga Negra, mas Lara Adrian inovou ao criar uma raça, denominada Raça, que é nada mais nada menos do que ascendente de extraterrestres! O bônus dessa série é que o vilão está dentro da própria comunidade, que se expande em todo o globo. Um dia você é um cidadão comum, no dia seguinte você pode se transformar em um pesadelo. Acontece similar a uma degeneração mental devido a uma condição física, ocorrendo com frequência nos mais velhos. Sendo que quanto mais velho você é, mais força vocês tem e mais perto está de perder o controle.

Irmandade da Adaga Negra X Midnight Breed:

Sim, as duas vão tratar de um grupo de guerreiros de uma raça. Os vampiros são seres vivos, vivem em comunidades, tem uma ordem social e são regidos por leis, vivem na surdina até certo momento, e vai apresentar muitos machos alfas. Não se engane, você não vai está lendo a mesma coisa. Apesar da Lara Adrian em alguns momentos mostrar outros personagens afora o casal principal, ela não trabalha enredos paralelos como a J. R. Ward faz. Ainda mais, os livros da Ward sempre tem questões sociais sendo discutidas. Estupro, feminismo, homossexualismo, drogas, prostituição, suicídio. Irmandade é com certeza uma série mais complexa, mas as sacadas que a Lara dá em Midnight Breed são incríveis. E, depois do décimo livro, a série tem uma evolução extraordinária.

Senhores do Mundo Subterrâneo – Gena Showalter
[Lords of the Underworld]


“Há muito tempo, doze guerreiros imortais - cada um mais perigosamente sedutor do que o outro - roubaram e abriram a caixa de Pandora, liberando o mal que havia dentro. Agora eles carregam o mal dentro de si como punição. Violência, Dor, Morte, Doença, Desastre, Miséria, Dúvida, Promiscuidade, Derrota, Mentira, Segredo, e Ira. Quando um poderoso inimigo retorna, eles vão viajar pelo mundo em busca de uma relíquia sagrada dos deuses - que ameaça destruir todos eles.”

Não há um grupo de homens imortais mais eclético que os Senhores do Mundo Subterrâneo; você até pode achar que sim, mas não há. Eles vivem com as limitações dos seus demônios por eras, mas sobrevivem sempre para mais um dia. A série tem uma pegada muito mais mitológica que sobrenatural, mas é impossível não falar dela. Essa é uma série recheada de humor, situações impossíveis e personagens marcantes. O interessante é que quando você vira fã é impossível não escolher um senhor para amar e se identificar. É mais fácil traçar sua personalidade por um dos demônios que pelo seu signo de nascimento. Veja bem, eu sou de gêmeos e isso aparentemente quer dizer que eu sou inconstante e falsa. Meu senhor favorito é o Strider, guardião da Derrota, ele odeia perder, é extremamente arrogante, egocêntrico, mas sempre leal a si mesmo e suas crenças.

Imortais – Kresley Cole
[Immortals After Dark Series]


“Cada criatura ou ser que achou ser mítico... não é.
Todos eles secretamente coexistir com os humanos e apreciam o dom da imortalidade. Existem centenas de diferentes tipos: de Vampiros para Lykae, de Fúrias para Shifters, deFey para Valquírias.
Estes imortais chamar seu mundo OLore.
Você já pode ter encontrado com um dos loreanos. O excêntrico bilionário com carisma e hipnótica uma aversão à luz solar. A criança abandonada de beleza etérea, cuja asunhas parecem mais como garras. O Highlander do século XVII com sotaque escocês e magnetismo animal que nunca pode ser descrito na noite de lua cheia.
Eles andam entre nós, mas eles guerreiam entre si. Cada facção tem suas forças, fraquezas, e velhos preconceitos contra os outros. Cada quinhentos anos, o Acesso, uma batalha pela supremacia, se eleva. E este tempo é agora...”

Imortais é o suprassumo de seres imortais. São tantas raças e sub-raças, você vai ficar louco se um dia parar para pensar que é quase impossível misturar tantos seres sobrenaturais e mitológicos, em diversas dimensões, sem que a coisa desande. E, ainda assim, é incrível como a escritora ainda consegue inovar a cada livro, criar situações mais improváveis e impossíveis que a última e ainda fazer personagens tão distintos. O Lore é aqui e durante o Acesso qualquer coisa pode acontecer.

Senhores do Mundo Subterrâneo X Imortais:

Uma coisa que eu adoro nessas duas séries é que elas são muito engraçadas, mesmo nos piores momentos sempre surge uma piada. Mas sabe o que me deixa flutuando com essas duas séries? É muito óbvio que a Gena Showalter é BFF da Kresley Cole. A primeira vez que eu vi uma referência aos Senhores do Mundo Subterrâneo na série Imortais... eu surtei! Eu não conseguia acreditar que era aquilo mesmo que eu estava lendo, mas aí eu comecei a perceber outras coisas também só que na ordem inversa. E, gente, isso é maravilhoso.

Dark Hunter – SherrilynKenyon
[The Entire Dark-Hunterverse]


“O Lema Dark-Hunter:


Nós somos Escuridão. Nós somos Sombras.
Nós somos os Governantes da Noite.
Nós, sozinhos, ficamos entre a humanidade e aqueles que a querem destruída. Nós somos os Guardiões.
Os Guardiões de Almas.
Nossas almas foram expulsas para não avisar os Daimons que perseguimos. No momento em que eles nos veem chegando, é tarde demais.
Os Daimons e Apolitas nos conhecem. Eles nos temem. Levamos a morte a todos aqueles que depredam os seres humanos.
Nem humano, nem Apolita, nós existimos além do reino dos vivos, além do reino dos mortos.
Nós somos os Dark-Hunters.
E nós somos eternos.
Sim, sim. Chega de tristeza e melancolia porque, baby, aquilo não é o que somos. Você quer saber o que um Dark-Hunter é? Nós somos o que a introdução diz. Nós somos loucos, maus e imortais. Nós somos guerreiros antigos com atitude que lutam áspero, e jogam duro.
Nós somos as coisas assustadoras que vão colidir na noite. E nós amamos cada minuto disso. Então, quando você pensa que está sendo observado. Você está sendo observado. A pergunta é... é algo maligno ou é um de nós?”

Essa é uma série que infelizmente não teve continuidade no Brasil, foram só dois livros publicados de vinte e seis. Isso é de cortar o coração porque essa série é muito boa. Comecei até errado, não é uma série, mas uma saga composta de cinco séries e uma série spin-off. Mistura sobrenatural à mitologia, criando seres novos de características únicas. Além disso, Sherrilyn Kenyon sabe como construir um personagem e nos fazer desesperados pelo livro dos nossos queridinhos.

Esse foi um dos posts mais difíceis e demorados que já fiz. Primeiro, selecionar somente cinco séries foi como uma dor... Sabe quando alguém pergunta qual seu livro favorito e a única reação é ficar olhando para o indigente sem noção por fazer uma pergunta com uma resposta impossível? Foi meio isso, mas também houve o probleminha das séries serem complexas e terem vários volumes e spin-offs. Tenho certeza que não consegui passar o que são essas séries para vocês, faltam dados que eu não me recordo totalmente e, por isso, preferi omitir. Espero que quem leu algo dentro deste fantástico gênero deixe suas séries favoritas e impressões nos comentários para que possamos comentar, e quem ainda não leu comece logo. Foi muito divertido está mais uma vez com vocês! Parabéns, Leninha, por 9 anos de Sempre Romântica <3

Beijos!

8 comentários:

  1. Hey Mayara!

    Essa séries são incríveis! Só não conhecia "Imortais", mas se você as colocou lado a lado com minhas séries sobrenaturais favoritas, terei que conferir! Também me parte o coração que Dark Hunter tenha deixado de ser publicada, gastaria alegremente todo meu dinheirinho comprando a série completa se fosse possível, até comprei meu "Acheron" na versão de Portugal, porque não poderia deixar de ter esse querido ao meu lado. Também fico triste que a publicação de Senhores do Mundo Subterrâneo esteja empacada, torço para que a Harper Collins Brasil (que agora administra a Harlequin Brasil) publique a série completa. amei a postagem ♥

    Beijos... Elis Culceag.​ * Arquivo Passional *

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elis!!!
      Acabei de falar pra Leninha que chamei o Strider de Kane... Eu realmente quero mais dos Senhores do Mundo Subterrâneo, a Harlequin até que reiniciou a série super bem. Fiquei bem impressionada com eles terem disponibilizado o conto pré-serie. Sobre Imortais, a Valentina pisou feio na bola ao começar publicando A hunger like no other, que é na verdade o segundo livro da série. Eles ainda afirmaram que o eu e os fãs brasileiros achávamos ser o primeiro livro não passa de um conto, mas quando você começa a ler Desejo Insaciável o início fica muuuuito fora de contexto. É uma série maravilhosa, espero que você a leia, mas dá uma olhada no Goodreads e começa pelo primeiro livro mesmo. Em ingles a série se chama Immortals After Dark, da Kresley Cole. Faça melhor, leia qualquer coisa dessa mulher. Ela arrasa também escrevendo Romances de Época, Romances Contemporâneos com marfiosos, YA pós-apocalíptico...

      Beijos, May.

      Excluir
  2. Mayara!
    Realmente quando iniciamos o caminho da leitura, é como desembalar ladeira abaixo, uma força da natureza incapaz de ser detida.
    Como leio há muuuuuuuuuuiitos anos, mais de 40 anos (abafa o caso...kkkk), ir aprimorando a leitura e encontrando aquele estilo que mais atrai, é uma tarefa hercúlea, mas vale a pena.
    Adorei a sua seleção de séries, realmente fantásticas.
    Parabéns!
    “Das coisas que a sabedoria proporciona para tornar a vida inteiramente feliz, a maior de todas é uma amizade”.(Epicuro)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de OUTUBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. A D O R E IIII seu post! Nós somos irmãs literárias. Ador sobrenatural ou romantic fantasy como você descobriu e adoro todas essas series que citou, com exceção de DArk Hunter que não conheço. Cito ainda Nalini Singh e sua serie Psy-Changeling.Não foi lançada aqui, o que é uma pena. Leia!
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos mais que irmãs, amada!!
      Psy-Changeling é uma das minhas séries favoritas da vida, mas acho que ela está mais sci-fi do que sobrenatural.
      Beijos!!

      Excluir
  4. Oi Mayara, adorei o post e estou lendo, simultaneamente, A Irmandade e Os Senhores, duas otimas séries e suas autoras nos presenteiam com historias bem amarradas e seus mocinhos são sempre ... uau rrss
    Parabens pelo blog .. to sempre por aqui ;)

    Ana Paula
    http://paixaoporleituras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Mayara esse post me representa. AMO IAN e todas as outras séries por você citadas. E, acrescento As Crônicas de Sokie Stackhouse e Os Cárpatos. Apesar de sempre ter lido foi após Crepúsculo que descobri o mundo sobrenatural e me apaixonei primeiro por Lestat e depois pelo Vishous e os outros. Realmente é uma pena que a Novo século não publicou o restante da série, assim como a Benvirá não publicou os restante dos livros da Sookie. Mas, isso não dos deixará de ler e descobrir mais livros desse gênero.
    Amei!
    Bjos!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos