Amor Traído & Noiva de Verdade - Lynne Grahan

Amor Traído - Lynne Graham

Paixão cega, gravidez inesperada…
Sander Volakis somente segue seus próprios princípios. Ele construiu uma reputação nos negócios graças a sua personalidade, e não ao nome ou à riqueza de sua família. Além disso, ele não tem a menor intenção de um dia se casar nem de passar fins de semana viajando. Sua ida a West grave Manor era somente um favor que estava fazendo para seu pai, uma chatice…Até ele ver Tally Spencer, tão linda, tão voluptuosa, tão…irresistível! Sander agora quer uma chance para encontrá-la e, casualmente, seduzi-la. Porém, uma noite com Tally pode ser o fim de sua vida de playboy.


Quer dar emoção à sua vida literária que anda chafurdada numa apatia dos infernos? Leia esse livro. Você passará do estado "letárgico" para "ira cabal" logo nos primeiros segundos.

Aliás, essa história tem todos os ingredientes para enfartar um leitor por excesso de raiva e desgosto.
Tem mocinho que se acha O último bote do Titanic;
Tem mocinho que acredita que seu pinto é a competência em versão fálica;
Tem mocinha inflando o ego cavalar do mocinho-eu-sou-foda;
Tem mocinha sendo humilhada pelo mocinho e aceitando de boa, afinal, ele é muito Coca Cola pro seu Ki-suco;
Tem mocinha tendo conversas maduras e sensatas ao invés de armar um barraco desatinado e infantil porque tem esse direito perante as cagadas do mocinho;
Tem mocinho com pais cuja fecundação veio direto de Satã;
Tem vagabunda clichê dando de cima do mocinho que arregaça pra ela porque é um espírito livre que pode pegar quem quiser, porra!
Tem mocinha perdoando fácil porque é sonsa;
Tem leitor estapeando o livro em um ato simbólico. De novo.
Tem leitor dando 3,5 de nota.
Tem leitor precisando de uma coça de bambu porque adora sofrer.

Recomendo?
Se você for meio pancada como eu...


Noiva de Verdade - Lynne Graham

A promessa entre eles havia sido quebrada, porém, ambos não estavam preparados para acontecimentos inesperados…
Tally Spencer, uma garota comum e sem experiência com relacionamentos, e Sander Volakis, um magnata grego e de grande beleza, em princípio não teriam nada em comum, a não ser uma atração incrível. Porém, em poucas semanas Sander considera que fora traído ao ser obrigado a se casar com Tally. Quando ambos pensam que o casamento apressado tinha acabado, tiveram de se encontrar novamente, e logo cederam à paixão. Entretanto, Sander possui fortes razões para desejar sua mulher de volta, enquanto Tally esconde um segredo terrível…


Atenção: spoiler e linguagem tosca.

Depois de ler os livros dessa autora, fico olhando esse mundo real e me perguntando se não seria uma boa ideia dar cabo nessa merda e reconstruir outro, numa versão by Lynne Graham.

Já reparou como tudo se resolve nas histórias dela? As mocinhas sempre se dão bem independentemente de serem pobres, tapadas ou de beleza mediana. Bem, se fosse fácil assim, eu já teria pegado o Giulio Berruti há tempos e, numa hora dessas, estaria na Itália povoando o mundo com berrutizinhos.

Noiva de verdade segue esse padrão Matrix e é a continuação de Amor traído (o primeiro livro) que, por sua vez, pode ser resumido em uma mocinha que cai na lábia do mocinho-como-todas e após chilique de ambos os lados, eles terminam numa felicidade supimpa.

Porém, no início desse segundo livro, a relação descangotou. Eles estão separados, a mocinha é dona de uma empresa bem sucedida (sério??) e supostamente tem um caso com o sócio. O mocinho-meu-pinto-é-foda quando sabe disso? Fica possesso porque “Ela é minha! Uhááááááá!!!!!” (“Uhááááááá!!!!” lido em urro macho pra caramba).

Daí, os dois se reencontram depois de um ano, o cara dá uma arrochada na mocinha e eles voltam, afinal, uma encochada é a resolução para todos os problemas conjugais.

Mas se você pensa, enganado leitor, que a coisa vai ser fácil assim, né não: do nada o mocinho descobre que a sapecada dada na ex-amante - quando estava separado da esposa - teve como consequência uma filha.
E como a mãe morreu, ele teve que assumir. A mocinha teria de engolir tudo e ainda cuidar da criança da outra.

Diante de tal situação, duas reações:
1) Reação equilibrada e madura: “Poxa... eles estavam separados, a esposa vacilou porque o maltratou e a criança não tem culpa. Perdoo!”

2) Reação não-equilibrada e não-madura: “Separado o caralho!!! Esse filho da puta não consegue controlar essa merda de pinto, não? Mal terminou e já tá de piranhagem? Perdoar porra nenhuma! Quero mais que o saco dele encolha e que seu pinto fique encarquilhado para todo o sempre!”

Nem preciso falar minha reação.

E ainda tinha mais coisa pra falar, mas cansei.
Vou comer e dormir que faço mais negócio.

;)

6 comentários:

  1. Ai amiga! Eu tenho um parafuso solto, então vou encarar. Bjo

    ResponderExcluir
  2. Adoro as suas resenhas Tícia! Sempre me acabo rindo e concordando com tudo! Quem nunca teve aquela vontade doida de atravessar as páginas do livro só pra chutar as mocinhas e mocinhos, só pra elas acordarem um pouco?

    ResponderExcluir
  3. Adorei... muito melhor a resenha do que o livro! Confesso que minha reação serie não equilibrada e nem um pouco madura! #PéNaBunda hahaha!

    ResponderExcluir
  4. LIVRO: Amor Traído
    Sander é um playboy, babaca, preconceituoso e mulherengo. Coitada da Tally, que primeira vez traumatizante pra ela... Sander foi de uma sensibilidade de elefante! Sander não quis nem reconhecer o bebê, por ele estava tudo acabado, simplesmente porque ele não conseguiu manter o zíper da calça fechado quando encontrou a ex-namorada Oleia (teve culpa no cartório sim, se esfregando publicamente com a ex na boate onde levou a Tally poxa! Ainda se faz de ofendido?!), e nem se preocupou com isso, estupidamente mandou a Tally passear, credo! Ele nunca quis casar com ela, ele foi chantageado para isso. Maaaaas, uma coisa não se pode negar, temos que reconhecer que Sanders sempre foi brutalmente SINCERO/HONESTO em relação a tudo isso! E até o final da 1ª parte do livro ele diz com todas as letras que NÃO AMAVA a Tally, mas que seria bom marido e bom pai. E assim criaram uma relação satisfatória para ambos e o livro poderia ter terminado aí, penso eu, apesar da imaturidade do casal (20 e 25 anos eram muito jovens)!

    ResponderExcluir
  5. LIVRO: Noiva de Verdade
    Já começa com o ciúme absurdo do Sander:
    Trecho: “Quanto tempo esperou antes de receber Miller na sua cama?”
    E quanto tempo Sanders esperou pra cair na cama da Oleia? Pelo que entendi foi a 1ª coisa que ele fez nem bem tinha esfriado a cama da esposa, ele foi correndo transar com a ex-namorada... lembrando que a ex já tinha causado problema para ele desde o início da relação com a Tally e mesmo assim ele o fez...
    Trecho: “Nós lidamos com a dor de formas diferentes. Eu poderia ter me embriagado e dormido com outras mulheres para expressar minhas mágoas — ele falou com sarcasmo. — Mas eu não sou assim.”
    Ora, mas não foi exatamente isso o que ele fez se embriagou e dormiu com a ex-namorada na 1ª oportunidade que teve? Dúvida: Ele saiu com outras mulheres ou só com a Oleia?
    Trecho: “A morte de nosso bebê não fez com que eu deixasse de amá-la, fez com que eu a quisesse mais.”
    Ué mas ele não disse que não a amava no final da 1ª parte?
    *Não gostei de Tally se culpar sozinha pelos erros do passado! Sander não foi um sonho de homem e cometeu muuuitos erros que eram dele, somente dele, ele teve total colaboração!
    *A situação se inverte, Tally foi chantageada pelo pai e dizia não amar mais o marido, deu chumbo trocado certinho...
    *Sander tenta reconquistá-la mesmo achando que ela dormia com Robert. Isso é justificável e não é tão nobre assim, pois os homens enxergam diferente o fato da mulher dormir com outro homem, pra eles vira uma espécie de disputa de macho, eles querem provar que é melhor que o outro em todos os sentidos, principalmente no sexual, e com isso mostrar à mulher o que ela está perdendo se escolher o outro. Já a mulher age e pensa diferente, para nós mulheres o sexo é muuuito íntimo e pessoal, pra se dizer depois como os homens costumam falar: Ah, eu dormi com a fulaninha, mas não significou nada! Balela! Pra nós mulheres significa sim e muito, a gente fica até com certo nojo do cara se descobrimos que ele transa ou transou com outra, a nossa reação é contrária a dos homens, é o afastamento!
    Trecho I: “Ele não poderia ter engravidado Oleia quando a PROCURARA como consolo depois de seu casamento ter sido desintegrado. Poderia? Hipoteticamente falando, ele fora forçado a admitir, a contragosto, já que suas lembranças eram vagas, que tal consequência era humanamente possível.” “— Quando se sai de um casamento, sente-se uma enorme rejeição e dói muito. Oleia sempre deixou claro que me queria. Você não me queria. E basicamente foi isso — ele revelou.”
    Pois sim, aqui Sander diz com todas as letras que ele foi atrás da ex-namorada com suas próprias perninhas e teria transado com ela independentemente de estar bêbado ou sóbrio, a intenção ele já tinha em mente, porque ele sabia que a ex-amante o queria e foi se consolar nos braços dela (cretino não?) Como ele sabia como era sair de um casamento se ele tinha aversão a qualquer compromisso duradouro né? E Sander ainda joga a culpa na Tally por ELE ter engravidado a ex, só por Deus mesmo! De um jeito ou de outro Oleia conseguiu o que ela tanto queria, ela viveria eternamente no meio do casal como um fantasma sempre presente entre os dois, com a figura viva da traição de Sander.

    ResponderExcluir
  6. *Achei apelativo usar um bebê doente para ganhar a nossa simpatia. A meu ver nada ameniza a traição de Sander, porque foi isso, traição em vários aspectos, ele poderia ter engravidado qualquer mulher, menos a tal Oleia, isso foi imperdoável, nem vamos chamar isso de ironia do destino, o destino não agiu nesse caso, a escolha foi DELE, de Sanders! Ninguém o obrigou a dormir com a fulana e depois ELE diz porque escolheu justamente a ex!
    São dois Sanders DIFERENTES, o do início e o do final, a transformação é grandiosa, quase uma redenção. Eu entendi bem o lado da mocinha, penso que a coisa toda desandou pela intransigência e desconfiança do mocinho desde o início. Dá pra acompanhar o crescimento da relação do casal, não diria que era perfeita. Dá pra perdoar e aceitar um filho de outra mulher? Não sei se teria essa grandeza, esse desprendimento todo, justamente pela forma como tudo aconteceu. Certo, a criança não tem culpa dos pais serem dois safados, mas teria que ter muito amor, pra passar por cima de tanta coisa!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos