Mar da Tranquilidade - Katja Millay

Nastya Kashnikov foi privada daquilo que mais amava e perdeu sua voz e a própria identidade. Agora, dois anos e meio depois, ela se muda para outra cidade, determinada a manter seu passado em segredo e a não deixar ninguém se aproximar. Mas seus planos vão por água abaixo quando encontra um garoto que parece tão antissocial quanto ela. É como se Josh Bennett tivesse um campo de força ao seu redor. Ninguém se aproxima dele, e isso faz com que Nastya fique intrigada, inexplicavelmente atraída por ele.
A história de Josh não é segredo para ninguém. Todas as pessoas que ele amou foram arrancadas prematuramente de sua vida. Agora, aos 17 anos, não restou ninguém. Quando o seu nome é sinônimo de morte, é natural que todos o deixem em paz. Todos menos seu melhor amigo e Nastya, que aos poucos vai se introduzindo em todos os aspectos de sua vida. À medida que a inegável atração entre os dois fica mais forte, Josh começa a questionar se algum dia descobrirá os segredos que Nastya esconde – ou se é isso mesmo que ele quer.

Quero dividir com você, leitor do Sempre Romântica, a imensa satisfação que sinto nesse momento ao terminar a leitura do livro "Mar da Tranquilidade".

Nenhuma palavra, por mais espetacular que seja, ou que transmita maior número de sensações, será capaz de descrever o que sinto nesse instante. Não posso dizer que esse foi o melhor livro que já li na vida, porque estaria exagerando, mas posso colocá-lo na lista dos melhores, com certeza. A história conseguiu prender meus olhos, minhas mãos e meus pensamentos durante todos os dias em que fiz a leitura. O levei para cada canto que fui, aproveitei cada instante disponível e lia-o com uma voracidade incrível, porque conhecer Josh, Nastya, e os demais personagens da trama, foi um prazer inenarrável.

Sei que não serei capaz de passar para o leitor do blog todo o emaranhado de sensações e o enorme conflito que sinto ao tentar explicar o que se passou comigo lendo esse livro. Ainda estou meio que anestesiada com o primor da leitura que foi tão revelador, tão extasiante, tão doído, tão profundo que chegou a me machucar.

Josh é um menino solitário, não só por manter distância — mesmo que aparente —, de qualquer pessoa, como também por ter dentro de si uma dor imensa e profunda. Ele não tem ninguém, vive só num mundo particular. Mas é assim a maneira mais fácil que ele encontra de manter-se vivo.

Nastya é diferente, ela não quer contato, carrega escondido de todos um segredo imenso e que a tortura a cada instante. Conviver com os outros não é algo que ela deseje, e usa de todos os meios possíveis para manter distância. Imagina o quanto foi estarrecedor descobrir esse mistério tão dilacerante?!

"Fico surpresa de ver quanto as pessoas têm medo do que pode acontecer no escuro, mas não pensam duas vezes sobre sua segurança durante o dia, como se o sol oferecesse alguma espécie de proteção definitiva contra todo o mal do mundo. Não oferece. Tudo que ele faz é nos iludir e atrair com seu calor, para então nos derrubar de cara no chão. A luz do dia não nos protege de nada. Coisas ruins acontecem a qualquer momento. Não esperam até depois do jantar."        Pág. 146

Cada página virada se tornou uma busca incansável pela solução de um mistério que perambula por todo o livro. Na verdade, o auge da leitura é a busca pela cura. Impossível não se comover com o drama vivido pelos personagens, o que os fez calar, o que os mantém distantes e de certa maneira "seguros".

Um livro que precisa ser lido. Eu não sei se poderia ficar sem essa leitura por muito tempo. Desde que li a sinopse, ele me atraia como uma mosca para a luz, e depois que comecei ficou impossível parar.

Não é um romance, porém o amor é quase palpável em toda a história; não é só um drama, apesar da tragédia e dos fatos dilacerantes que permeiam toda a narrativa; não é uma história apaixonante, mas fica impossível não amar e não crescer junto. Eu simplesmente não sei explicar o que sinto, só sei que amei cada parágrafo, cada passagem que me machucou e outras que me fizeram sorrir. E principalmente amei o desenrolar da trama, a cura gradativa dos personagens, as descobertas e o final da história, nada poderia ser mais perfeito, nada me daria mais prazer.

Se eu recomendo a leitura?!
Para ontem!!

14 comentários:

  1. Ei Lena

    Ai que lindo. Tem tantos da Arqueiro q vc indicou e não consigo ler, acaba que pego os lançamentos mais conhecidos e a série dos romances de época tomam todos os meus pedidos rsrsrs.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ultimamente ando selecionando com muito cuidado meus pedidos, reservando espaço primeiramente aos meus dramas, seguidos pelos históricos e por aí vai.

      Tenho dado sorte!
      Não esquenta, logo, logo, você vai conseguir colocar a lista de indicações em dia, rsrs

      Bjs

      Excluir
  2. Oi Leninha,
    que resenha apaixonante! Nossa, quero esse livro para ontem. Confesso que achei a capa meio ... estranha, mas sua resenha sempre me convence a deixar de ser preconceituosa com capas !!!
    Obrigada pela resenha.
    Bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Nelma, falando sobre a capa, ela diz muito sobre o livro, o sorvete é um item constante na leitura, perfeito.
      Também sou cismada com capas, mas dessa eu gostei, tô cansada de casais nas capas. #prontofalei

      Bjs

      Excluir
  3. Oi Leninha, sabia que este livro seria bom, tinha certeza quando vi esta capa e li a sinopse. Fiquei encantada na hora.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. Amei a sinopse, a premissa é muito boa.Não gostei muito da capa, mas a história parece ser tão apaixonante e fofa!
    Gostei de saber que não é mais um romance como todos os outros, é bom que tenha um pouco de drama haha
    Vou lê-lo com toda certeza.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Leninha!
    Primeiro o que chama a atenção é a capa do livro... como o teste de Rorschach, onde temos um 'borrão' e podemos perceber várias figuras distintas, só aó já mostra o cunho psicológico do livro.
    E aí fiquei intrigada: como um livro com carga emocional e dramática como esse tem um título de Mar de tranquilidade?
    Espero poder ler.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse título é bem simbólico Rudy, tem a ver com uma constelação citada por Nastya durante a leitura, como um sonho em se transportar para um lugar assim, já que a vida em si é tão conturbada.
      Vale à pena ler para descobrir.
      Espero que você leia logo e curta tanto quanto eu curti.

      Bjs

      Excluir
  6. É um livro que parece vem envolvendo todo mundo que lê ele, esta na lista dos livros que mais quero ler prox mês, obrigada pela resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza super envolvente, vale a pena ler!
      Bjs Cecília.

      Excluir
  7. Li em alguns blogs resenhas sobre esse livro e parece que é unânime: todos disseram que vale a pena ler. Vai entrar para a minha listinha, só não sei se meu bolso vai aguentar rsrsrsrs.

    ResponderExcluir
  8. Li em alguns blogs resenhas sobre esse livro e parece que é unânime: todos disseram que vale a pena ler. Vai entrar para a minha listinha, só não sei se meu bolso vai aguentar rsrsrsrs.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos