Conto: Uma Visita Inesperada

Traição, nunca pensei que iria recebê-la em minha casa. Você chegou sem avisar, perniciosa, ardilosa e vil e trouxe consigo a dor, a desilusão, a mágoa, a desconfiança e a sensação de que nada mais será como antes. Você tomou a casa, invadiu cada cômodo e se fez presente em cada pensamento e em cada respiração mais profunda.

Nunca quis recebê-la. As portas do meu coração sempre estiveram fechadas, mas você invadiu a minha vida que era tão certa e tão perfeita. Você trouxe lágrimas e reclusão, soube ferir e manipular, atingiu em cheio meu coração me deixando vazia e sem motivação.

Com o passar dos dias pensei que você traria o esquecimento para acompanhá-la, mas não, você fez questão de estar sempre presente, sempre trazendo à tona as lembranças ruins de um momento que com todas as forças queremos, precisamos esquecer e superar.

Ao longo dos dias você chamou a revolta e a raiva para fazer-lhe companhia. Elas impregnaram a casa por alguns momentos, mesmo que tentasse não senti-las, estavam ali atiçando, fermentando, querendo tomar conta de mim. Mas, meu bom coração não cedeu lugar, não deu espaço a sentimentos tão ruins, e com o passar dos dias elas perceberam que ali não teriam lugar e se foram. O discernimento e a razão finalmente chegaram e a encostaram à parede; mostraram que era hora de chamar o esquecimento, e eis que finalmente ele foi chegando devagarinho. Sua presença era facilmente sentida quando eu conseguia sorrir e sair de casa sem a companhia da solidão e da dor. Até que o perdão bateu na porta.

O perdão veio sorrateiro, em pequenas doses.  Trouxe com ele o tempo, e com o tempo vieram as boas lembranças. Lembranças dos momentos vividos antes da traição, que ainda, mesmo que de leve, se faz presente nas horas de solidão. As boas recordações dão forças ao perdão que vai tomando forma e preenchendo a casa. O esquecimento já é sentido com mais frequência e a dor já nem é sentida. A solidão deu lugar ao sorriso, a mágoa foi deixada em segundo plano e a traição, apesar de ainda ser sentida, já não machuca tanto. Dói, mas não dilacera.  Fere, mas não corrói.

Então o amor, aquele mesmo que sempre me fez forte e confiante, retorna com força total. Volta em forma de abraços e beijos, e constrói um muro que, erguendo-se aos poucos, cria forma e consistência ao redor dos apaixonados; passíveis de erros, porém amantes eternos.

O tempo vem curando as feridas, a solidão não é mais parceira de todos os momentos, a dor é apenas uma lembrança, e a traição, mesmo que existente num passado bem próximo, foi vencida pelo perdão.

Sentimentos nobres e vis se digladiam todos os dias nas vidas das pessoas, cada um desses sentimentos tem um lugar presente e marcante. Os maus sentimentos estão sempre fermentando, mas o discernimento tem que ser o juiz imparcial, e o amor tem que estar transitando. Se o amor existir, o perdão sempre irá triunfar, mesmo que seja o perdão de si mesmo.

Dê lugar aos bons sentimentos porque se assim você o fizer, nenhum espaço vai restar para o sofrimento. E o que vai reinar sempre é a paz.

22 comentários:

  1. Ficou lindo!

    O amor quando verdadeiro é capaz de superar tudo.

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Que lindo Lena!! Amei!! Parabêns!!
    Cada dia escrevendo melhor!!
    Bjos!!

    ResponderExcluir
  3. Perfeito! Os sentimentos descritos pareciam pessoas! Muito bom como sempre! :)

    ResponderExcluir
  4. Ficou lindo! Escrevendo que é uma beleza, hein? Daqui uns dias teremos um livro de contos by Lena?

    ResponderExcluir
  5. Que lindo, amiga.
    E, ao mesmo tempo, inspirador para muitos que passam por isso.
    Sabe que abomino traição, né? De qualquer tipo.
    Mas nada como o amor para superar todas as adversidades e fazer-nos seguir em frente.
    Quando teremos um livro seu? Será sucesso!
    Sabe que pode contar comigo. :)
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga, vc sempre me fazendo feliz com seus comentários.
      Quanto ao livro... quem sabe um dia!!!

      Bjs

      Excluir
  6. Oi Lena!
    "Dê lugar aos bons sentimentos porque se assim você o fizer, nenhum espaço vai restar para o sofrimento. "
    Lindooooo! Como sempre, superando no conto!
    Bjks!

    ResponderExcluir
  7. Ah, Leninha, que conto lindo, que lucidez ao descrever o sofrimento de alguém traído. Sabe, invejo quem consegue amar esse amor-fênix. Esse amor que renasce cada vez mais forte e indestrutível, e cujas lágrimas é capaz de curar as mais profundas feridas.
    Lena, é um prazer ser sua seguidora fiel e compartilhar o carinho que você distribui tão generosamente entre nós.
    Parabéns e muito obrigada!
    Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por suas palavras Sueli, você sempre consegue tocar meu coração com seus comentários.
      Beijos e mais beijos!

      Excluir
  8. Leninha, que maestria e clareza ao escrever esse conto...a sensação ao ler.. é que as palavras estão saindo da nossa boca...tudo aquilo que sentimos e não sabemos expor, vc detalhou!!! Realmente uma traição, não importa de quem, sempre dói, mas com certeza, quando damos lugar ao amor e ao perdão, nos sentimos mais seguros e em paz. Abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Cali. Como você mesmo disse não importa de que maneira somos traídos ou por quem, dói e dói forte.
      Mas o perdão é a chave que move o mundo, pelo menos eu acredito nisso, ele faz bem para quem dá e para quem recebe.

      Bjs

      Excluir
  9. Eita Leninha inspirada. Espero apenas que seja ficção a chegada da traição e que os bons sentimentos dominem sua vida em uma realidade cotidiana, fazendo-a sempre feliz e realizada.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felizmente é apenas ficção, me inspirei para escrever esse conto num filme que vi dias atrás na TNT, infelizmente não consigo descobrir o nome do filme de jeito nenhum. Pensei em acrescentar um PS com o nome do filme que me inspirou, mas quem disse que sei?! kkk

      Beijokas!

      Excluir
  10. Oi Leninha,

    Gostei muito do seu texto. Acho que estruturalmente eu classificaria o texto mais com uma crônica narrativa, um gênero que se aproxima muito do conto, com um lirismo em prosa, em geral na primeira pessoa. Mas isso é só uma questão técnica, não importa muito.
    O que não posso deixar de dizer é o quanto você escreve bem. Você tem uma escrita concisa e sofisticada. Gostei do desenvolvimento, da temática e da forma como você usa bem as palavras.
    Parabéns mesmo!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ademar, sempre é bom ter a opinião de um amigo.
      Bom saber que minha crônica narrativa te agradou, tento sempre fazer o meu melhor.

      Bjokas e volte sempre!

      Excluir
  11. Lindo, emocionante e brutal. Muito bem escrito. Parabéns, Leninha!

    Beijos, Laís

    ResponderExcluir
  12. Imagino mesmo que a traição deve machucar muito, não apenas a amorosa, mas a traição de amigos, colegas de trabalho, de um político em quem você votou... o perdão traz leveza, é muito difícil concedê-lo, ás vezes, mas realmente perdoar traz calma a gente.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos