Um amor para sempre!

Como descrever o dia em que fui a pessoa mais feliz do mundo?

Como expressar o turbilhão de emoções que senti quando o vi pela primeira vez? Foram momentos mágicos que talvez eu não consiga descrever com palavras.
Seu choro foi meu maior momento, ver que você era um menino foi a realização de um sonho bom. Tê-lo em meus braços foi uma sensação para a vida toda. Como aquelas lágrimas demonstraram tanta felicidade, tanta emoção.

Então o levaram, cuidaram de você e o trouxeram lindo, cheiroso e perfeitinho. Nosso primeiro instante juntos foi como passear no céu. Olhamos nos olhos um do outro, nos reconhecendo depois de nove meses de apenas nos sentir.

Um reconhecimento de almas que vem para fortalecer o amor, um amor único entre mãe e filho. O primeiro filho, neto, bisneto... O menino!

Levá-lo para casa, sentir seu contato em meu peito, amamentá-lo, amá-lo, foi um prazer inenarrável.
Tivemos 22 dias de momentos perfeitos, você crescia a olhos vistos. Já era possível ver sua boquinha se abrindo num sorriso tímido. Mas seu choro me preocupava, pois ele não era um choro comum de criança, parecia que você sentia uma dor que eu não conseguia identificar.

E foi então que você parou de querer meu leite, parou de me focar com seu brilho nos olhos, parou de expressar aquele sorrisinho tímido.

E assim como numa tempestade inesperada você me deixou, me dilacerando, a vida não quis que ficássemos juntos. Um erro, uma falha humana te tirou bruscamente dos meus braços.

Ontem completou 19 anos do dia em que minha vida mudou, o dia em que perdi você, o dia em que senti raiva de viver. Nada seria o mesmo depois da sua partida.

Os dias que precederam sua partida foram os mais vazios e solitários pelos quais já passei. Faltava você no meu peito, seu calor nos meus braços, seu cheiro na casa. E como foi doloroso desmontar seu berço, separar suas roupinhas, esconder de mim os vestígios de sua presença. E foi ainda mais triste ver que a tristeza me cercava por todos os lados. Vi seu pai chorar, seus avós esconderem suas lágrimas, sua tia esconder de mim sua alegria por também esperar um filho, que não seria meu.

Foram dias terríveis, meses devastadores, anos de uma solidão latente. Porém passou, o tempo passou, amenizando a dor e o vazio que se transformou minha vida.

Hoje relembro os momentos que tivemos juntos com uma saudade de cortar a alma, ainda sinto o seu cheiro, seu peso em meus braços e fechando meus olhos vejo os seus olhando para mim.

Você veio por poucos dias para me fazer feliz, me tornar a mãe de um menino lindo e que passou como um beija-flor, rápido e perfeito em seu voo.

Com a experiência de vida que tenho hoje sei que você cumpriu sua missão e que me aguarda ou zela por mim em algum lugar. Você foi um anjo que veio beijar minha face e se foi.
Imagino você como uma brisa leve, gotas de chuva caindo na terra, um perfume no ar. Você foi um sonho bom, um filho perfeito, me deixou saudades e alegrias, apesar do pouco tempo que o tive comigo.

Não sei o que o futuro me reserva, mas acho que sou das poucas pessoas que podem falar que tem um filho anjo, que me brindou com o toque de suas asas e partiu para alegrar os céus.

Foi tão bom, foi tão real, e perder você foi tão triste. Um pedacinho de vida que se foi e levou uma parte essencial de mim. Meu coração nunca mais foi inteiro depois de sua passagem.

Dizer que sinto sua falta é pouco. Às vezes me pego imaginando como você estaria hoje; um homem, ao meu lado. Nesses momentos idealizo um rapaz namorando, estudando, realizando sonhos e acredite; como dói saber que você não está aqui.  
Mas com toda a certeza de que sou capaz de sentir eu acredito; filho amado, um dia a gente vai se encontrar!


P.S.: Esse texto é dedicado a meu filho Mateus, nascido em 23 de agosto de 1994 e falecido em 17 de setembro de 1994. Saudades eternas!

27 comentários:

  1. Leninha, também estou em pedaços aqui ao ler seu texto e entendo muito bem sua saudade, só que de modo inverso. Trinta e quatro anos que passaram como o vento na minha vida.

    Eles agora são nossos anjos de plantão.

    Fica em paz, minha querida. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos privilegiadas por tê-los como anjos de plantão.
      Beijo no core!

      Excluir
  2. Nossa sem palavras Lena...
    Estou com lágrimas nos olhos.

    ResponderExcluir
  3. Leninha sabe como ninguém emocionar uma pessoa, adoro ler o que vc escreve, tu sabe bem disso!
    beijo!

    ResponderExcluir
  4. Nossa tive que parar e respirar a cada frase que li, pois esse tipo de dor é aquele que ninguém que não passou pode mensurar, entender ou sentir, é aquela dor única de mãe.
    Muita paz e força sempre!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Este tipo de texto deveria ter um aviso antes "Nanda, vc vai chorar no serviço e passar vergonha". De arrepiar, nem posso imaginar o que é isso que vc passou, força. ^^
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei de passar por situação igual a sua, Fernanda, me pegaram com lágrimas nos olhos no trabalho.
      esse belo texto ajudar a expressar e por pra fora a emoção Leninha, é bom partilhar conosco, sentimos junto sua dor, logico em menor parcela. bjs

      Excluir
  6. Nossa Leninha, to chorando aqui, que Deus te abençõe sempre. Vc é uma privilegiada, tenha essa certeza, Mateus guia seus passos.

    ResponderExcluir
  7. Oi Lena!
    Estou apagando o comentário e escrevendo novamente, mas parece que tudo o que eu escrevo é vazio ou sem sentido.
    Eu não consigo mensurar, imaginar o tamanho da sua dor, depois de uma perda como essa.
    O que posso notar é a sua serenidade em falar sobre o assunto. Mesmo com um sentimento tão forte, você tem a certeza de uma reunião futura. E acredito que isso ocorrerá ;)
    Deus te abençoe sempre, amiga =)
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. "A Saudade é a presença de uma ausência ou a ausência de uma presença..."
    Sabe Leninha, seu texto me emocionou. Ontem, dia 17/09/2013 fez um ano que minha amada irmã sofreu um acidente, o que levou à sua morte no mês seguinte, aos 35 anos, nos deixando dilacerados, quebrados. Como se fosse uma ferida aberta, que não sangra, mas a dor é incessante,o que eu sinto até neste momento, ou quando acordo, ou durmo...

    Que Deus a abençoe e conforte. Compartilho a dor da sua perda e a alegria da convivência pelo período permitido por Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa Nelma, sinto muito por sua perda também.

      Que Deus nos abençoe e conforte.
      Beijos!

      Excluir
  9. Olá, Boa noite!! Só queria passar e dizer que achei o texto lindooo, ate agora ainda estou com lagrimas nos olhos,voce escreveu com o coração, com a alma.

    ResponderExcluir
  10. Lena, quando a Thalita me falou do seu texto, eu demorei a vim aqui. Porque eu sabia que ia chorar, me emocionar com você.

    Você é muito especial Lena, na verdade sua familia é especial. Mateus não tá presente em corpo, mas Lena ele tá vivo em vocês, sempre!

    Te adoro viu. Minha querida amiga poetisa.

    Beijos da sua amiga que te admira sempre.

    Juliana Vicente.

    ResponderExcluir
  11. Nem sei o que te dizer Leninha; seu filho a essa altura teria quase a minha idade. Só aprendo cada vez mais que o tempo cura qualquer ferida. Muita paz e alegria para você nesses momentos.

    ResponderExcluir
  12. São poucos os textos que nos fazem sentir um aperto na garganta e as lágrimas fugirem dos olhos. Obrigada por compartilhar esse pedaço tão lindo e triste de sua história, querida Leninha. Você e seu anjo são iluminados.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos