Parar para pensar!

Tem horas que sinto uma imensa saudade do tempo no qual dar um bom dia, pedir licença ou mesmo dizer obrigado era a forma mais simples de ganhar um sorriso.

Hoje infelizmente vivemos em mundos particulares, onde o “eu” é o mais importante, é o que predomina. Ninguém cumprimenta, pede licença ou diz obrigada, ninguém se fala, ninguém se vê. As ruas empilhadas de pessoas que não se comunicam e não se permitem fazer um amigo a mais.

Vejo um mundo tão frio lá fora, pessoas que passam com seus fones de ouvido, num mundo só seu, com seus celulares de última geração ligados o tempo inteiro em redes sociais, alheias ao que se passa ao redor. Nada de gentilezas, nada de sorrisos... Nada.

Pessoas que não são sociáveis apesar de terem um círculo de amigos incontáveis em sua vida virtual. E então, eu penso: E quando essa pessoa se deparar com uma situação na qual apenas um estranho poderia ajudar? Em um momento de solidão no qual apenas um abraço resolveria tudo? A quem recorrer quando só o que temos são amigos virtuais?

Tudo é suspeito, todos podem ser bandidos, aliciadores, pedófilos ou ladrões. Que mundo é esse em que vivemos?

Que lugar é esse em que se transformou nosso planeta?

O mundo seria um lugar melhor se as pessoas se deixassem tocar pelo sentimento de amor como um todo. Dar um bom dia não faz cair a língua, um obrigado não deixa ninguém mais pobre, pedir licença não é se humilhar. Gestos tão simples, humanamente aceitáveis e que fazem tão bem à alma.

Por que é tão importante ter milhares de amigos no Facebook, ou ser seguido por centenas no Twitter se na hora de sair você não tem ninguém para te acompanhar? Na hora de compartilhar um momento de alegria, um gesto de amizade, só existem estranhos a seu lado? E isso é culpa de quem?

Fácil culpar o mundo quando não nos permitimos o menor gesto de aproximação com alguém.

Nesses meus momentos de pensar, lembro com saudade de quando eu era criança e conhecia todas as mães dos meus amigos, na adolescência conhecia todos os meus vizinhos e gostava deles, éramos uma grande família. Fazíamos mutirão de limpeza das ruas no fim de semana e era pura alegria, organizávamos festas juninas, tudo em prol de estarmos juntos, sem fins lucrativos. Era tão bom...

Hoje tudo é pelo dinheiro, tudo tem como objetivo o lucro.

Uma pena. Esse é um mundo onde se criam estranhos, cada um num universo particular, com seus fones de ouvidos, e sabe-se lá o que escutam. Janelas com grades e portas trancadas, corações fechados para balanço, olhares alheios ao mundo.

Tenho pena dessa nova geração, de quem não retribui um bom dia, de mim mesma que a cada dia fico mais isolada no meu mundo de gentilezas, sem retribuição.

O mundo seria um lugar melhor se o Natal fosse todo dia, rs. Porque parece que só no Natal o povo se permite olhar para os lados, bom seria se fosse NATAL TODO DIA!

28 comentários:

  1. Estava pensando nisso hoje, acredita? tipo... acordei de bom humor fui ao prédio da Receita e quando dei bom dia com um sorriso no rosto as pessoas se assustavam, respondiam como se eu fosse de outro mundo. Gosto desse mundo não!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto saiu por causa do teste que fiz ontem cedo indo para a padaria, todos que passaram por mim receberam um bom dia e um sorriso, uns me olharam com cara de espanto, dois estavam com fone de ouvido e nem viram e apenas UM respondeu.

      Saudade de quando não dávamos bom dia levávamos bronca, tipo: dormiu comigo? Já me viu hoje?

      Gosto desse mundo não![2]

      Excluir
  2. Quantos debate não existem sobre cidadania, ética e moral. E quando você vai para a prática, a convivência de fato, você percebe essa estranheza entre os indivíduos, eu acredito que a cordialidade nunca deve ser esquecida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, cordialidade deve sempre ser praticada e jamais esquecida.
      Beijinhos!

      Excluir
  3. Oi, Leninha!

    Li seu comentário para a Thalita e preciso dizer: também tenho o costume de fazer isso e contar. Eu levo cerca de 15 minutos da minha casa até a faculdade a pé, e aproveito o caminho para dar bom dia aos estranhos que passam por lá fazendo a sua caminhada matinal. Acho que o meu recorde foi 3 retribuições em 6. Nunca passa disso.

    É engraçado como todo mundo olha pra frente enquanto caminha, mas basta ver alguém passando do lado para baixar a cabeça e fingir que não tem ninguém ali. Mundo estranho, mundo estranho.

    Amei a sua reflexão, Leninha!

    Beijos,
    Inara
    www.lerdormircomer.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Náh, 3 em 6 tá até bom, ruim é quando ninguém responde, e parece ser tão natural.
      Uma pena viver num mundo tão frio não é?!

      Eu não desisto, sempre darei bom dia sempre esperando resposta, quem sabe um sorriso.

      Beijos Náh e Bom dia para você!

      Excluir
  4. Thalita, Leninha é isso mesmo as pessoas não querem mais dar bom dia... Fato.

    Como ficou pertinente o vídeo, o texto...
    Mas, por outro lado, o que amamos, queremos, somente em cidadezinha pequena. Estou falando no ideal de uma vida mais simples.

    Algumas pessoas sofrem muito com isso, algumas outras não estão com o coração no financeiro.

    Por isso, assisto constantemente ao seriado "Os Pioneiros" e me teletransporto para lá, sinto saudade de uma época e lugares q nunca estive...
    Essa série é incrível,apresenta lições de dignidade, união, humanização, fé e família. Valores esquecidos pelo materialismo exagerado!!

    ResponderExcluir
  5. Este tipo de comportamento se generalizou Leninha infelizmente. Até cito algo que aconteceu comigo: fui retirar a CNH de meu marido e todos reclamam do atendimento da funcionária: mal humorada, mal educada,tem o hábito de falar alto com as pessoas ¬¬. Quando chegou minha vez, ela realmente me olhou de cara feia e não me abalei. 'Oi, bom dia. Por favor preciso retirar a CNH do meu marido, você pode me ajudar? Ela arregalou os olhos, respondeu o bom dia,e após me entregar o documento, eu disse: obrigada, tenha um bom dia, ela: sorriu respondendo:para você também'. Sempre digo às minhas filhas: cordialidade em qualquer lugar nunca é demais. Um abraço e desculpe o comentário gigante :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é And as vezes a pessoa precisa apenas ouvir um bom dia e já relaxa, é tanta pressão no nosso dia a dia que transforma as pessoas.
      Sou como você, antes de qualquer coisa, um bom dia. "Gentileza gera gentileza"

      Beijinhos e nem esquenta, amei seu comentário!

      Excluir
  6. Pois é, quando estamos doente o que mais desejamos é ter alguém por perto, só pra fazer companhia, mas não olhamos para o vizinho nem sabemos o nome deles e os nossos filhos não pedem mais a benção, não chamam os mais velhos de Sr. ou Sra! Não respeitam mais os professores, acham mais bonito brigar do que brincar. É triste ver tudo isso acontecer!

    ResponderExcluir
  7. TÔ PASMA!!!! Acho q uma força divina viu o que estava passando comigo e cochichou em seu ouvido e disse: escreve aí. Cara, show de bola o seu texto e já tô compartilhando em minhas páginas das redes sociais. Lindo d+!!!!

    Dê uma passada lá no meu blog: http://diariocult0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ui, Transmimento de pensação, rs.
      Obrigada Diário!

      Excluir
  8. Eu sou a favor da gentileza e sociabilidade.
    Eu sei bem o que é ter amigos virtuais e reais que posso contar nos dedos, não por escolhas e sim por não tentar com as pessoas ao meu redor. =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho diversos amigos virtuais e dou um valor imenso a todos eles, mas conservo bem os meus amigos reais, e a cada dia tento fazer outros mais.
      Assim a gente se mantém vivo e existente.
      Beijos Yasmim!

      Excluir
  9. Oi Lena!
    Eu vivencio o mesmo que a Náh =(
    As pessoas passam ao nosso lado como se nem existíssemos!! Completos estranhos!
    É muito triste isso =(
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito triste mesmo Ká, mas a gente é brasileira e não desiste nunca. Bom dia para todos!
      Bjs.

      Excluir
  10. Leninha, esse seu texto ficou excelente e fala de algo que nós realmente precisamos mais: educação e boa vivência.
    As pessoas estão vivendo cada vez mais isoladas e não prestam atenção a quem está ao seu lado. Eu nasci nesse mundo... nunca conheci meus vizinhos, o que é bem triste. Então toda essa coisa de se reunir com a comunidade nunca foi uma realidade para mim.

    Sempre dou bom dia para todo mundo... para motoristas e cobradores de ônibus, atendentes em padarias e supermercados, vendedores em lojas... a maioria se assusta, alguns poucos respondem e outros me olham como se eu estivesse louca. Isso é o que me deixa mais intrigada, que algumas pessoas simplesmente não consigam aceitar bem o meu bom dia (ou o meu "obrigada" ou o meu "tenha um excelente trabalho"), mas me faz muito bem falar isso (e também me faz muito bem quando ouço de alguém).


    Beijos,
    Nanie

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazemos a nossa parte por um mundo melhor!
      Beijos Nanie!

      Excluir
  11. Olá Leninha. Seu texto veio bem a calhar para mim agora. Vive em um tempo semelhante ao seu, onde as pessoas eram mais próximas e humilde. Com o advento da internet parece que trouxe uma soberba maior as pessoas; os amigos pensam que apenas por conversar pelo bate-papo já basta para o convívio entre eles e muitos valores se perdem no processo. Há uma situação engraçada em minha cidade, em que muitos me perguntam se sou daqui e adivinhe porque? Por que digo 'Obrigo' 'Com licença' 'Bom Dia' e 'Por Favor'. Isso não deveria ser encarado com estranhamento mas sim como uma "obrigação" que todos nós deveríamos ter para com o próximo. Um abraço!

    De Frente com os Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo em parte com você Clóvis, na verdade acho que não deveria ser obrigação, mas cada gesto deveria ser pelo prazer de receber uma resposta e um sorriso.
      Mas acho que to sonhando ou divagando demais, uma pena!
      Abração!

      Excluir
  12. Vivemos num mundo cada vez mais individualista, ao mesmo tempo em que, como diz aquela frase.. "aproxima os distantes e afasta os próximos".

    ResponderExcluir
  13. Oi Leninha...seu texto reflete, infelizmente, a realidade, principalmente das cidades grandes. Moro no RJ e percebo cada vez mais esses distanciamento das pessoas, e olha que o carioca é considerado ainda "alegre, receptivo e falante". Na cidade pequena em que vivi as pessoas ainda dão boa tarde e sempre param para uma "prosa" com estranhos no final da tarde, com um cafezinho.

    Agora, uma coisa que notei, é que no período da JMJ as pessoas estavam mais felizes, cheias de fé e saiam distribuindo "bom dias" e "obrigadas" de forma mt mais frequente. Curioso, não?

    Beijo grande!
    Lygia - Brincando com Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É como eu disse Lygia, quando tem algum evento de fé como Natal e o JMJ as pessoas se deixam tocar pelos sentimentos, seria bom se fosse assim como antigamente, todo dia.

      Beijos!

      Excluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos