Cinquenta Tons do Sr. Darcy - Emma Thomas

Hoje com vocês mais uma resenha da Tícia. Esse livro é um daqueles controversos que geram amores e dissabores, então nada melhor do que ler uma opinião de quem entra sempre na leitura com vontade de se divertir. Essa é a Tícia...
Vamos ver o que ela achou desse livro um tanto quanto incomum. Espero que todos curtam e deixem seus comentários.
Com vocês...

Cinquenta Tons do Sr. Darcy - Emma Thomas

Sinopse:
Imagine Elizabeth Bennet e o sr. Fitzwilliam Darcy, protagonistas de Orgulho e preconceito, deixando de lado a moral e o recato e dando vazão a seus desejos mais ocultos de forma mais pervertida que Christian Grey e Anastasia Steele, personagens de Cinquenta tons de cinza. O resultado: Cinquenta tons do sr. Darcy, a incrível e hilária paródia escrita por um famoso inglês sob o pseudônimo de Emma Thomas.

Alguns livros conseguem a façanha de serem perpetuados como grandes clássicos e, com isso, estão sempre arrolados nesses cânones da vida.
E geralmente são considerados a cerejona suculenta do bolo porque tiveram ou têm algum peso na nossa cultura, influenciaram de alguma forma através dos tempos, ditaram estilos por se destacarem e por aí vai porque isso é um assunto pra mais de metro e está começando a ficar chato.

Pessoalmente, eu acredito que muitos desses clássicos merecem tal notoriedade e são, sem dúvida, verdadeiras obras-primas; já outros, me fazem matutar com meus botões os porquês da fama toda, já que palavra ‘tédio’ tem todo um peso sobre eles.
Não citarei tais livros por aqui porque sei que minha pessoa sofreria uma esculhambação em proporções apocalípticas e já passamos por um fim de mundo por esses dias e não precisamos de outro por ora.

Orgulho e preconceito, da inglesa Jane Austen, é um clássico.
Fato.
Você pode até não ter lido, mas certamente já ouviu falar da história de amor entre a perspicaz Elisabeth Bennet (ou Lizzy) e o nobre Fitzwilliam Darcy (ou Mr. Darcy). É, eu sei que a trama vai muito além do romance entre os dois, pois também pretende ironizar os costumes da época, retratar a hipocrisia da sociedade e expor os defeitos humanos.
Mas cá entre nós: a gente acaba mesmo é reparando o quão fofos são os mocinhos e torcendo empolgadamente por eles.

Bem, até aí tudo bem.
Mas como você se sentiu quando pegaram este clássico e o avacalharam? E mais: quando o fizeram misturando sua história com a de Cinquenta tons de cinza?
Eu sei que teve gente que quase enfartou de desgosto enquanto outros, por sua vez, nem esquentaram a cachola, afinal, o negócio é rir pra não chorar.

Eu faço parte dessa segunda leva.
Assim que tomei conhecimento de Cinquenta tons do Sr. Darcy, eu tive de ler porque não resisto a uma paródia.
E pra quem não se lembra, a paródia – no caso, a literária – pretende imitar comicamente um texto usando sarcasmo e ironia.
Mas para se achar graça no texto parodiado, é interessante conhecer o original, se não você vai ficar com aquela cara de “não entendi a piada”.

No caso de Cinquenta tons do Sr. Darcy, as duas histórias foram misturadas e nada escapou do deboche da autora; principalmente o tons de cinza, que foi o alvo principal das ironias. Tudo, absolutamente tudo – desde os trejeitos irritantes dos personagens, suas características e essências, as situações de sado-masoquismo, o contrato, enfim, toda a trama – foi exposto de uma forma tão burlesca que você acaba rindo de tanto exagero.

Mas o interessante é que tudo se passa no tempo e espaço de Orgulho e preconceito. Até mesmo a linguagem é mais requintada, típica da usada no século XIX. Isso foi um ponto positivo porque você ver uma situação ridícula sendo descrita com formalidade e esmero é uma contradição que me fazia rir com força.

Já os personagens são extremamente caricaturados. Seus defeitos são elevados à enésima potência e escarnecidos impiedosamente.
Se você leu Cinquenta tons de cinza e não gostou, vai se esbaldar com este livro porque a autora vai lavar sua alma.
Quer um exemplo?

Quando Elisabeth se irrita com Mr. Darcy, ela o esculacha:
“- Pois saiba que o senhor é um personagem mal-desenvolvido e unidimensional! – reagiu Elisabeth. – Cinquenta tons? Está mais pra dois: ‘desesperado por sexo’ e ‘mal-humorado’.
A raiva a tornou verbosa, e ela continuou:
-Quem, eu lhe pergunto, quem, com 28 anos controla uma companhia global multimilionária apenas atendendo ao telefone ocasionalmente e dizendo ‘Fale com Peters’ e ‘Pegue isso lá na terça-feira’? O que o senhor faz na prática? Além disso, que heterossexual tem músicas de Nelly Furtado no iPod, para não mencionar o fato de achá-las uma trilha sonora adequada para uma sessão de sexo sadomasoquista?”

E como você pôde notar no trecho acima, além de todo o deboche e ironia, a história é cheia de anacronismo: eles comem Doritos, ouvem CD, falam de bandas de rock contemporâneas e um bando de outros extemporâneos. Isso aumenta ainda mais o tom de paródia e a comicidade da narrativa.

Não poderia me esquecer de mencionar o quão hilárias são as partes de sado-masô. Se você pensa que Mr. Darcy vai sovar Lizzy com chicotes e varas, pense de novo. E se você acha que ele é limitado a fazer apenas tranças na mocinha como Mr. Grey, você se enganou mais uma vez. Os traumas de Fitzwilliam Darcy? Bem, aí você terá de ler para desvendar tantas diferenças.

Gostei da história, me rendeu boas risadas.
Mas é necessário levar em conta que sou uma boba alegre, eu estou sempre rindo de qualquer coisa. E outra coisa: comédia, para ter seu efeito, depende da cada pessoa. O que pode ser hilário pra mim, pode ser ridículo pra você. E vice-versa.

Recomendo!
Ôxi!
Demais!
; )
 

11 comentários:

  1. Ticia, sua boba da corte

    kkkkk

    Esse livro é muito controverso. Mas vc tirou de letra ao dizer que tem que levar pro lado do humor. Pensando desta forma, sabe que ate deu vontade de le-lo?

    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Flá!
      Esse livro deve ser lido esperando só o divertimento. É legal vc ver uma paródia pq tudo é muito caricatural, né?
      De repente vc gosta, Flá!!!

      bjoooooooooooo

      Excluir
  2. Eu gostei muito da resenha Ticia, principalmente porque você conseguiu deixar claro o que devemos esperar desse livro.

    Confesso que desejo ler, mas não sei quando terei tempo.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju,
      este livro é basicamente esculachar os livros parodiados. Mas, principalmente, 50 tons.
      Se vc gosta de paródia e humor meio pastelão, é prato cheio.
      Eu ri muito em algumas cenas, mas é igual eu falei, senso de humor é tão pessoal, né? Pode ser que eu tenha achado graça (e achei mesmo), mas vc ou outra pessoa não ache.

      Mas como crítica, é uma obra muito legal.

      bjoooooooo

      Excluir
  3. Oi, Tícia.

    Tive opiniões divergentes acerca deste livro.

    Para começar, não sabia se ria ou chorava.

    Em muitos momentos, não conseguia lê-lo como uma obra só. Ficava separando os dois romances.

    Mas algumas situações são hilárias como as trocas de cartas entre os protagonistas. Coitados dos empregados, né? Nada como um bom e-mail. rsrsrs.

    Relevei o fato de ser uma paródia, mas minha visão do meu herói romântico caiu por terra.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Carla!

      Sei como vc se sentiu, eu tb ficava tentando separar os dois livros, tentando identificar elementos desse ou daquele.

      A parte das cartas é engraçada mesmo. kkkkk

      Ah, quando é paródia, eu nem consigo enxergar os mocinhos como heróis românticos, eles costumam ser tão avacalhados! kkkkkk

      bjooooooo

      Excluir
    2. Oi, Ticia.

      Ah, que bom que não fui a única a me sentir assim. :)

      Me divirto com aqueles filmes que são adaptados de outros que são hilários, mas a princípio como não conseguia ler como um, foi difícil ver o Sr. Darcy ser retratado desta forma.

      Aquele final das nuances foi de MATAR! Não sabia como reagir, acredita de tão estupefata que fiquei. rsrsrs.

      Bjs.

      Excluir
    3. Oi Carla!
      Eu tb fiquei meio perdida vendo o perfeito Sr. Darcy daquele jeito.
      Mas vc sabe que na medida em que fui lendo, eu comecei a perceber que quem tava sendo mais avacalhado ali era o Sr Grey? kkkkk

      Mas é aquele negócio, né? Nas paródias, a gente tem que abstrair! kkkk

      bjooooooooooooo

      Excluir
  4. Oi, Ticia!
    Eu confesso que estava repudiando esse livro totalmente assim que vi o lançamento. Fiquei revoltada em como alguém teria coragem de acabar com Orgulho e Preconceito desse jeito. Resolvi abrir a mente e ler a sua resenha e imagine o tamanho da minha surpresa quando eu li o trecho que você separou do livro e dei boas gargalhadas (no trabalho!).rs Não é prioridade no momento, mas pretendo ler esse livro sim. Culpa sua! =P
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Débora,
      sei como é esse negócio de "matar" um livro que a gente gosta. kkkkk

      O Cinquenta tons do Sr. Darcy parodia o Orgulho e preconceito sim, mas pega muuuuito mais pesado com o 50 tons de cinza.

      Leia sim, vale a pena pq vc vai dar boas risadas.
      Eu aceito que seja minha culpa! ; ) kkkkk

      bjooooooo

      Excluir
  5. Tícia, estava meio sumido mas estou aqui rs.
    Deixa eu contar, adoro Parodias rsrsrsrsrsrs
    Parodias no geral vejo bastante mais em filmes, livro só li um (Opusculo, que sinceramente odiei) e fiquei interessado nesse livro, mas não posso ler ainda pois não Li Orgulho e Preconceito (mas morro de vontade)
    Mas com certeza depois que ler Orgulho e Preconceito vou ler Cinquenta Tons de Sr. Darcy, pois a trilogia Cinquenta Tons já li.

    Tícia como sempre você arrasando nas Resenhas Parabéns!!!
    Tava com Saudades rs
    Beijo!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos