Conto: Nada mais...

A imagem que não me saía da cabeça era de seus cabelos molhados, seu sorriso aberto e a risada sonora. Cada parte de mim vibrava de alegria ao te ver, era como mergulhar no paraíso, olhando em seus olhos.

Você inundava minha vida de alegria, me sentia amado, era como se nada de mal pudesse me atingir, mas infelizmente... Atingiu.

Não era para termos nos visto naquele dia, mas eu insisti, precisava te ver, tinha algo importante a dizer, conseguia sentir sua alegria e expectativa ao telefone.

Desmarquei tudo na minha agenda, aquele dia seria decisivo para nosso relacionamento, algo de muito especial iria acontecer. Mesmo que não fossem ditas as palavras que eu aguardava tanto ouvir de você, eu as diria.

Passei em casa, troquei de roupa, passei o perfume que você gostava e segui ao seu encontro.

Não era de se estranhar que a lei de Murphy iria agir, e acabei entrando num imenso engarrafamento. Iria demorar horas para chegar, iria me atrasar, mas a certeza de um final mais que feliz não me fez desanimar, e passei a cantarolar ao volante.

Pensei então em tudo que você representava para mim... Desde que te conheci minha vida mudou completamente. Sempre fui um homem reservado, sempre calado e alheio ao que se passava ao meu redor. Vivia em função do trabalho, aventuras assim, de desmarcar agenda apenas para ver uma pessoa, era inadmissível na vida do antigo “eu”.

Mas você entrou em mim como um sopro de vida e trouxe a aventura, e o sorriso novamente para meus lábios.
Com você eu me permiti sonhar com um futuro melhor, deixei minha juventude aflorar, me vi realizando desejos tão simples, bastava apenas que você dissesse sim!

Agora indo a seu encontro me sentia o homem mais feliz do mundo, era capaz de mover montanhas para vislumbrar seu sorriso, sentir suas mãos em mim, beijar sua boca, simplesmente estar com você.

Buzinas me tiraram de meu devaneio, mas apesar do imenso engarrafamento, nada me tiraria o prazer de te encontrar.
Um calor insuportável, o vento parado, buzinas incessantes ao redor...

Finalmente estava chegando. Tentei encontrar um estacionamento, ruas lotadas de carros, pessoas estressadas e nervosas e eu aqui, feito um bobo sorrindo sozinho. 
Hoje eu daria um passo definitivo na minha vida, iria pedir a mão da mulher mais maravilhosa do mundo em casamento. Tateei o bolso em busca da caixinha onde estavam guardadas as alianças, abri e imaginei seu sorriso no momento que as visse.

E lá estava você, sentada no banco onde nós nos conhecemos, no mesmo lugar onde te vi pela primeira vez, com os cabelos molhados e me perdi naquele momento. Queria chegar logo e abraçá-la, beijar sua boca. Foi então que você me viu, um sorriso iluminou seu rosto, seus olhos brilharam e sem pensar corri em sua direção...

Foi então que aconteceu... Só consegui ouvir o som da freada e a dor do impacto. De repente, estava voando e não conseguia mais te ver. Meu corpo foi arremessado a metros de distância, um baque surdo e depois apenas silêncio.

Aos poucos consegui enxergar as pessoas se aglomerando ao meu redor, vi a caixinha com nossas alianças ao alcance das minhas mãos, elas não estavam mais no meu bolso...

Então consegui ver você vindo a meu alcance, se debruçou sobre mim... Já não havia alegria em seus olhos, preocupação, medo e dor transbordavam deles. Gritos desesperados saíram de seus lábios, eu não conseguia ouvir, não conseguia me mover, não sentia nada...

Minha respiração foi diminuindo e soube naquele momento que era meu fim, eu nunca diria as palavras que ensaiei, não conseguiria abraçar você e nem beijá-la novamente, sentia que eram meus últimos momentos e só queria conseguir falar. Olhei mais uma vez em seus olhos e suspirei, era uma despedida e era dolorosa. Uma lágrima escorreu dos meus olhos, apontei para as alianças e proferi minhas últimas palavras, num imenso esforço... Eu te amo.

O mundo aos poucos foi ficando negro... Minha última visão foi de seus olhos e lábios se aproximando e consegui ler neles as palavras que tanto sonhei ouvir... 


39 comentários:

  1. Leninha, querida. Teu sonho é ser a Nicholas Sparks de saias, não é? Danada.
    bjokas

    ResponderExcluir
  2. Leninha, menina, me fazendo chorar aqui...
    oh, facilidade que vc tem para isso...
    parabéns pelo dom...
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Um dia quem sabe eu chego lá?! Mas nem tenho esperanças, quem me dera!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada Je, sua opinião sempre faz a diferença!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  5. Oi Lena!

    *chorando* Ai que lindo!

    Você está aprendendo com o Tio Nicholas?

    ahhhha

    bjs!

    ResponderExcluir
  6. Quer dizer que você gostou?!
    Tio Nicholas é minha inspiração!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Leninha, que lindo!!

    Trágico porém lindo, manteiga derretida como sou, chorei.
    Parabéns, vou dá uma olhadinha nos outros contos,
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Leninhaaaaaaaaaaaaaa, sua malvada! Me fazendo chorar aqui com seu conto. Emocionante! Sempre me surpreendendo.

    Ao lê-lo pensei que você se inspirou no filme "Antes que termine o Dia" ou você está se tornando a irmã gêmea do Titio Sparks. [risos].

    Adoro um bom drama, desde que seja bem escrito e mexa com as emoções do leitor. Felizmente, você tem esse dom! Invista nele!

    Serei sua fã!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. AH, nem, Leninha!!! Que maldade! Eu quero que ele ressucite... vai ter que ter mais contos deste casal... estou chorando :'(

    ResponderExcluir
  10. Que bom que você gostou!
    Minha veia trágica se ativou cedo hoje, kkk
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Obrigada Carlita do meu core, você sempre me incentivando. Um dia ainda publico um livro de contos e vou na sua casa entregar o seu autografado, kkkk
    *Sonha Leninha*

    ResponderExcluir
  12. Mas será que ele morreu?
    Poxa será?
    Kkkkk

    ResponderExcluir
  13. Ah, não faz isso comigo! Esse é um dos motivos pq não leio Nicholas Sparks, caio em depressão com histórias tristes! Bem, tentarei colocar meus sentimentos de lado e analisar o texto em si.
    O conto está muito bem escrito, detalhou minunciosamente os sentimentos do personagem, expondo seu amor e ansiedade. Achei muito bem feito e se seu objetivo era emocionar, conseguiu!
    Um pedido, da próxima vez avise que não tem final feliz para me preparar psicologicamente, rsrs...
    Parabéns, lindo conto!

    ResponderExcluir
  14. Obrigada pelas palavras Maribell, vindas de você são mais que elogios!
    Grata!

    ResponderExcluir
  15. Caramba, Leninha. O drama parou aí e criou raiz, hein? Ótimo conto, mas triste que só! rs


    bjs!

    ResponderExcluir
  16. FlavinhaGarotadeAquario11 de setembro de 2012 15:34

    Ownnn!
    Que triste!
    :(

    ResponderExcluir
  17. *_* vindo de você esse "triste que só" me eleva.
    Adoro!

    ResponderExcluir
  18. Nossa vc quer mesmo fazer a pessoa chorar. Já estava emocionada, porque ele iria pedi-la em casamento... Agora isso? Ai que dor no coração! Não faz isso novamente, viu!

    Já disse que poderia escrever uma fanfic original e postar na web. Faria um grande sucesso. Vc possui um talento nato. Parabéns!!
    bjs no core

    ResponderExcluir
  19. Obrigada por suas palavras Glaucia!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  20. Mas você gostou mesmo sendo triste?

    ResponderExcluir
  21. QUE ABSURDO!


    Lena, pelo amor de Deus... Porque você faz isso? Eles mereciam ser felizes... Buáaaá.


    Estou com lágrimas nos olhos e de coração apertado após ler seu texto.


    Bjs

    ResponderExcluir
  22. Nem tudo são flores amiga, eu tento, mas a veia dramática sempre vence, kkk

    ResponderExcluir
  23. hahahaha pra eu achar triste, vc sabe que custa. :P

    ResponderExcluir
  24. Leninha, acordou inspirada hein?? Mas pelo amor de Deus... dá pra escrever algo com final feliz?? Estou deprimida aqui... e agora??


    beijos,

    ResponderExcluir
  25. Poxa Débora foi mal, kkkkk
    Beijos!

    ResponderExcluir
  26. Hoje estamos sentimentais! Deus nos ajude! Beijos.

    ResponderExcluir
  27. Meu Deus!! Romanticamente trágico, acho que isso define a situação.
    Que susto meninas!


    Adorei!

    ResponderExcluir
  28. Uau, Leninha Sparks! rsrs

    Ótimo conto, Leninha :D

    ResponderExcluir
  29. A efemeridade da vida. Contundente, minha querida, Lena!

    ResponderExcluir
  30. Obrigada por passar por aqui e ler meu conto Ende!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  31. Uia, Leninha Sparks foi boa, kkkk
    Obrigada Naty!

    ResponderExcluir
  32. Com certeza define!
    Obrigada Denise por passar e ler meu conto!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  33. Você está cada vez melhor, heim, Danada? Amei!

    ResponderExcluir
  34. Obrigada Janethe, vindo de você é mais que um elogio. Ganhei meu dia, obrigada!

    ResponderExcluir
  35. Ai, Leninha, que triste ><


    Por que você fez isso com ele? Ah, não... não quero que esse seja o final do conto - estou inconformada.

    ResponderExcluir
  36. leninha, não faz isso com o pobre rapaz, eu chega chorei de dor, pena, amor e ódio. continua o conto com ele no hospital faz alguma coisa mas não deixa o pobre morrer não.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos