Uma Coluna para chamar de minha, com Vivi Lima


Das bibliotecas

Olá!

Na coluna de hoje, resolvi trazer à baila um pouquinho da minha visão de leitora comum (fique claro!) sobre as bibliotecas.

Para começo de conversa, sapeco uma confissão: há dez anos não frequento bibliotecas públicas. Acomodei-me à facilidade tecnológica de adquirir meus livros ao zás-trás de um clique. Vou dizer, satisfazer o meu apetite por uma leitura caseira é coisa que adoro fazer. Para tanto, quando preciso obter alguma obra com urgência, tem-me sido bem mais atrativo e aconchegante optar pelas livrarias locais.

Por essas bandas de cá, o que sinto mesmo é a falta de bibliotecas com jeitão de biblioteca, sabe?
  Daquelas que, esbanjando fôlego de vida cultural, propiciam um encontro favorável entre gentes e livros. Vou rasgar o verbo: estou falando das bibliotecas com fome de leitura e de leitor mesmo.

Quando penso em adentrar em uma biblioteca, não quero fazê-lo apenas a partir de uma perspectiva turística, isto é, de como quem se encanta por sua arquitetura magistral, estando longe de desfrutar a experiência de estar ali com a familiaridade de um usuário assíduo.  Bibliotecas devem ser mais do que pontos turísticos, devem ser mais do que um palco montado para apresentações teatrais, cantorias e palestras. Devem ser mais do que um local de estudo para concursos públicos e tarefas escolares. É preciso reconhecê-las como sendo mais do que uma combinação conceitual de edifício, livros e de tudo que listei acima, pois são experiências singulares na vida de um leitor.

Eu tenho uma biblioteca de estimação. Tive a sorte de frequentá-la em minha infância.  Localizava-se em uma salinha cedida pela Administração de Taguatinga, uma das mais importantes cidades-satélites de Brasília. Não havia mesas e cadeiras para além das que a bibliotecária usava, afinal, o foco era o empréstimo única e exclusivamente.  Hoje ela não existe mais. Mora apenas nas minhas memórias e no meu coração. O seu acervo, pelo que soube, migrou para a Biblioteca Machado de Assis situada também em Taguá. Vou contar a vocês o porquê de tê-la de forma tão especial em minhas melhores lembranças de leitora. São vários fatores que me levaram a carregá-la dentro d’alma, mas para poupar-lhes a paciência e o tempo, segue-se abaixo um flashback dos melhores momentos:

- Ia acompanhada de minha saudosa mãe cujo prazer em ver-me feliz bastava para justificar a sua ausência em qualquer outro lugar. Ocupada como era, estar ali à espera de uma leitora compulsiva concentrada na missão hercúlea de escolher um punhado de livros foi um senhor ato de amor. Obrigada, mãezinha!

- Como esquecer a minha primeira atuação como sócia (carteirinha e tudo!)? Só leitor fissurado pode entender a importância desse momento.

- Lá, aprendi (mesmo com algumas intervenções firmes e assertivas da Zoilda, a bibliotecária) a escolher livros de meu próprio interesse.

- Aproveitando a deixa, foi lá que relutantemente conheci o meu primeiro romance açucarado. Um Barbara Cartland! Zoilda praticamente empurrou-o goela abaixo com o intuito de afastar-me dos livros impróprios para menores que eu insistia em levar pra casa. Nesse dia, bufei durante o percurso todinho de volta. Joguei-o na cama jurando não lê-lo nem que fosse o último livro do universo. Depois, cedendo à curiosidade, peguei-me gostando da história.  Ai, se a bibliotecária me visse lendo “Fidalgo e Ladrão” sob a luz de penumbra da Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional! E mais: acompanhada da luxuosa trilha sonora da ópera Tosca! Resumo da ópera: a leitura de meu primeiro romance associou-se a outro cuja narrativa cantava uma história de amor que deu errado. Veio daí a minha boa recepção aos finais trágicos em ficção. Thanks, Zoilda!

- Por fim, aprendi a frequentar as bibliotecas sem cobranças, pelo puro e simples prazer de ler. Algo bem distante da prática escolar afeita ao regime punitivo, bem ao estilo “vá agora para biblioteca ler um livro. Depois, faça um resumo de 15(!) páginas”.

Ah, bons tempos! Querem saber? O sentimento de pertença foi muito mais significativo do que a precariedade que ali havia.

Por essas e outras é que amo as bibliotecas com um baita senso de gratidão. Ainda assim, continuo a abominar a tendência, forte ou fraca, de se convertê-las em experiências bem sucedidas de sacrifício estudantil. Sei que as bibliotecas precisam de estruturas físicas adequadas, acervo em bom estado, atualizado e etc. Sei disso tudo. Mas o que não pode faltar de forma alguma são leitores reais e em potencial. Infelizmente, com a carência de um plano nacional de leitura eficaz, a gente se pergunta:

Onde estão os leitores?

Em outras palavras, de que adiantam estantes abarrotadas de livros se não há mentes boas e preparadas para o ato de ler? Não basta ter acesso se não há a promoção da competência para leitura, da compreensão da leitura, do gosto pela leitura. Seja em cima de burros, em bicicletas, em pontos de ônibus, em malas ou em edifícios, as bibliotecas devem afetiva, intelectual e fisicamente sempre estar perto dos seus leitores.

Afinal:

Se o leitor não se torna um amigo e um aliado, então como esperar que ele
ame, use, defenda e preserve as coleções de sua biblioteca?
(Antônio Miranda)

Como esperar?

Boa pergunta.  E que ela não seja vã.

                                        
Até a próxima, pessoal!


Onde estou: 





9 comentários:

  1. Ultimamente, a última coisa pra que as bibliotecas parevem servir é pra emprestar e disponibilizar livros. E quando o fazem, você só encontra livros de mil novecentos de tralalá. Por isso comecei a comprar os meus livros: eu via na internet alguma dica (muuuito antes desse boom dos blogs literários), ia procurar na biblioteca e cadê? Só tinha livro que eu não queria ler! Sem contar que, cada vez mais lerda pra ler, não raro devolvia livros sem terminar. Acho mesmo que, como tudo na vida, o modelo de biblioteca precisa se atualizar pra voltar à sua finalidade original: difundir a leitura...


    Beijos, Vivi! Adoro sua coluna. ;)

    ResponderExcluir
  2. Primeira vez que visito o blog de vocês e estou amando tudinho por aqui! Já sigo, se puder retribui? Quero fazer uma promo em conjunto com vocês. Mandei uma msg pelo form de contato do blog.
    Beijos!
    http://palomaviricio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá, Vivi!




    Aqui perto é difícil encontrar uma biblioteca. Mais difícil ainda é encontrar livros interessantes nela.rsrs... A biblioteca mais próxima fica há meia hora (de ônibus) daqui e só pensar em ter que viajar durante esse tempo até ela já me deixa desanimada. Prefiro ler meus livros em casa, no ônibus, etc. O próprio Brasil não incentiva a leitura e nem investe em mais bibliotecas. E são poucos os professores de português ou literatura que ajudam os estudantes a gostarem de ler. Tratam a leitura realmente como castigo para os alunos e eles passam a ver os livros como inimigos, infelizmente.




    Vivi, adoro quando você aparece aqui! :) Seus posts são sempre ótimos! A gente lê cada post naturalmente, sem pressa e sem tédio. Apareça mais vezes aqui! :D




    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Luna! Suas palavras me motivam a sempre estar dando os meus pitacos por aqui. Existe mesmo, a olhos vistos, uma tradição anti-leitura em nosso país. Há muito discurso e pouca prática. O que é uma grande pena. Bjs

    ResponderExcluir
  5. É mesmo, Lílian. Infelizmente, o modelo atual de biblioteca é arcaico e está longe de ser convidativo e amigável. Obrigada, querida, suas palavras de incentivo me dão um gás danado. Beijocas!

    ResponderExcluir
  6. Sua coluna me fez lembrar da biblioteca mais bonita que já frequentei - a biblioteca da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro - diferentemente dos livros que leio atualmente, o foco ali era a literatura científica, o que também me encantava, mas o estilo mourisco, com suas paredes e tetos rendados, tiravam quase sempre a minha atenção...era a minha veia romântica se manifestando!
    Infelizmente, hoje, moro em uma cidade sem bibliotecas, e veja que estou apenas cento e vinte quilômetros da capital do estado do Rio de Janeiro! Imagino, então, como estarão outras cidades....
    Uma lástima o rumo da cultura em nosso país....
    Parabéns, adorei sua coluna!

    ResponderExcluir
  7. Marcisiane Roberta Soares23 de agosto de 2012 11:35

    Eu sempre amei ler, aprendi sozinha com 4 anos. Quando morei em Guaiba-RS ia toda semana na bilioteca pública e pegava 3 livros (com duas carteirinhas emprestadas). Nossa eu li muito naquela época.Hoje tenho um meninão de 10 meses e fica mais dificil ler.
    Adorei seu post. Estou seguindo vc me segue de volta? Bjs.
    http://matheusmeucoracao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Sueli, que quadro bonito a sua experiência pareceu aos meus olhos. Bem, o descaso com a cultura é crônico nesse país. Na minha cidade, estamos sem biblioteca. Não por falta de uma comunidade atuante. Estamos lutando por uma biblioteca bem localizada. Pois a que a administração da cidade disponibiliza é um arremedo de biblioteca. Alguns a reputam por mal assombrada face à desconsideração em localizá-la no lugar mais ermo da cidade. Bjs e obrigada!

    ResponderExcluir
  9. Nossa, Marcisiane, aos 4 anos e sozinha? Parabéns! Aprendi aos 6. Minha ensinou-me a ler por intermédio da Cartilha Caminho Suave. Até hoje lembro com saudade de como era fissurada pela barriguina do "b". Ah, bons tempos em que minha carteirinha era todinha carimbada e gasta pelo uso! Beijocas

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos