Doce Triunfo - Judith McNaught

Olá pessoal, o blog Sempre Romântica apresenta em Resenhas da Tícia de hoje, Doce Triunfo da maravilhosa e aclamada Judith McNaught.

Ainda preciso tirar o meu atraso na leitura dos livros da diva, mas enquanto isso não acontece...

Com vocês...

Doce Triunfo - Judith McNaught
  
Sinopse:

Katie Connelly é jovem, linda e sofisticada; tem amigos importantes, sucesso na profissão e uma legião de pretendentes. Mas ninguém havia tocado verdadeiramente seu coração até o dia em que Ramon Galverra, um misterioso e másculo motorista de caminhão, a salva das mãos de um admirador exaltado. Katie não imagina que o homem moreno e de sotaque hispânico é na realidade um riquíssimo empresário, que se diverte com seu engano. Ramon deixa que a garota se apaixone perdidamente pelo rústico pobretão que ele finge ser, a fim de testar sua sinceridade. Ao mesmo tempo, ele também se vê seduzido por ela. Sempre sustentando a mentira, o magnata convence Kelly a acompanhá-lo a Porto Rico. Ele a pede em casamento. Mas, antes de unirem-se, ela precisa superar seus preconceitos, aceitar as diferenças e aprender com elas. Precisa revelar um segredo que carrega há anos, enterrando as mágoas no passado para encarar um novo futuro.
 

Personagens: Ramon e Katie

Eu sou uma pessoa implicante. Muito implicante. Admito.
Minha irmã vive afirmando que quer morrer minha amiga e meus pais, vez ou outra, se perguntam “onde foi que eu errei?”.

Mas porque comecei a resenha infamando minha pessoa?
Tem um propósito: quando eu der uma pequena enxovalhada em alguns pontos desse livro, você poderá julgar se foi implicância da minha parte porque, afinal, eu só posso ter perdido o bom senso ou, então, você vai assinar embaixo e ainda achar que deveria ter sovado mais.

Então, vamos lá.

Eu amo Judith McNaught. Ela escreve romances – históricos ou contemporâneos – de uma forma tão arrebatadora que seus livros sempre estão na lista dos meus preferidos. As mocinhas dela são fofíssimas e os mocinhos, sem dúvida alguma, eu jantaria numa bocada só (já falei que homem abundante em testosterona me dá fome?).

Porém... Doce triunfo não foi bem o que eu esperava.
Não sei se é a velha história da alta expectativa ou se o livro deixou mesmo a desejar, mas o fato é que esse romance não mexeu comigo como todos os outros da Juju.
Mas devo salientar que o que pesou toneladas na minha avaliação é meu velho problema com personagens. Se eu não tiver empatia e simpatia por eles, já era.
Mas isso eu falo daqui a pouco, vamos por partes.

A história:

Katie é uma mulher de 23 anos, rica, atraente, realizada profissionalmente, mas também é solitária, entediada com os joguinhos sociais e traumatizada com o ex-marido (mais um discípulo do tinhoso), com quem foi casada por um período de seis meses.

Em uma noite, Katie conhece Ramon, um porto-riquenho/americano/espanhol que ela confunde com um caminhoneiro. Na realidade, ele é um empresário rico que, entretanto, está diante de uma possível falência de sua empresa. E como a possibilidade dele perder tudo é grande, Ramon acaba por não desfazer o mal entendido.

Resumindo: os dois se envolvem e com três dias, ele decide que Katie é o amor da sua vida e a pede em casamento. Ela reluta, faz doce, chove no molhado, mas acaba indo com ele para Porto Rico, morar em sua fazenda (mais para sítio depenado). Lá, os dois passam por algumas situações tipo: Ramon apaixonado, moreno meu número, totalmente entregue à relação e ela, indecisa, obtusa, dando para trás. Preciso falar de minha homérica vontade de sacudir essa cidadã?
Bem, no final, tudo se acerta.

Minha birra:

Eu não tenho nada contra amor à primeira vista, desde que ele tenha base, motivo e incentivo.
Em Doce triunfo, entretanto, eu tive tudo contra. A meu ver, não houve nenhuma característica em Katie que, a princípio, justificasse tanto amor em Ramon. Ela foi preconceituosa com a “pobreza” dele, era imatura, mimada, dondoca e, fala sério, chata com força.
Se Katie possuía alguma qualidade extraordinária, deve ser algo subliminar que eu não consegui desvendar.
E quando ela parte para Porto Rico com Ramon, passa a ser muito confusa, egoísta e instável. E continuou imatura e chata.
Preciso falar de minha homérica vontade de sacudir essa cidadã? (2)

Tudo bem. Ela até tem suas razões: Katie sentiu medo e dúvida diante de um futuro incerto porque modificar a vida totalmente não é uma coisa simples e fácil. O problema é que ela não lidou com essa situação de forma madura e equilibrada e acabou por ferir Ramon desnecessariamente com suas atitudes. Bastava uma conversa. De ambas as partes.

Ramon também teve as suas. Poderia ter sido franco e não ter dado tanto ibope para mocinha. Poxa, se ela não quisesse, eu estou aqui na pista dando mole!
Algumas pessoas reclamaram do machismo dele, mas já vi tanto personagem pior que nem esquentei com isso.

Mas, enfim...

Embora eu tenha reclamado horrores, a história até tem seu charme e eu não desgostei totalmente. Meu problema foi especialmente com a mocinha.
E vale lembrar também que o que é negativo para mim, pode ser positivo para você. Lembro que uma vez eu li uma resenha em que a menina esculhambava um romance. E todas as coisas que ela odiava, eram exatamente as que eu gostava. Resultado: amei o livro que ela tão empolgadamente detonou.

Então, fique à vontade para julgar se eu sou uma criatura horrivelmente birrenta e implicante ou, “colé, tô contigo e não abro mão!”.
E vida longa à Judith!

; )


Nota: o livro Doce triunfo foi publicado na versão banca com o nome Tormenta no paraíso.

10 comentários:

  1. Eu concordo com tudo! Eu detestei esse livro, gosto muito a autora, mas esse livro não merece nenhum lugar na minha estante.


    Um livro que entrou para os piores que já li.

    ResponderExcluir
  2. Tenho na minha estante, mas não li. Medo de ler agora. rsrsrsr
    Eu gosto mais dos históricos dela. Já leu?

    bjokas

    ResponderExcluir
  3. Portal de blogs teia2 de agosto de 2012 14:28

    Olá.
    Gostei muito de seu blog,muito bom mesmo,parabéns.
    Sabia que agora seu blog pode aparecer em um Portal.
    Isso mesmo,entrou no ar o mais novo Portal de blogs da internet,um portal que divulga as melhores postagens de blogs da internet.
    É rápido,fácil e não precisa cadastro, e o melhor de tudo,é grátis.
    Você é nosso convidado especial.
    Até mais

    ResponderExcluir
  4. Adoro os romances históricos dela.

    Eu li este livro há muitos anos atrás e, apesar de ter apreciado o enredo, concordo plenamente com você em relação aos personagens. Realmente, algumas atitudes mexeram com as minhas emoções.

    Vontade de reler novamente. rs.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Ticia, sua fofuxa


    Quer dizer então quer ele é seu numero? kkkkk De onde vem tanta inspiração^? kkkkk




    Olha so: eu acho que #TOCONTIGOENÃOABRO, pq detesto romance-farol! Explico: Vai do vermelho pro amarelo dai pro verde rapidão, sabe?! kkkk credo! Sem logica! Isso sim!


    Mas juju é juju neh! Tenho que manter na minha lista de #toptop


    bj e mais uma resenha maravilhosa!

    ResponderExcluir
  6. Ah, esse livro não é tão "mcnaughtizante" quantos os outros da autora. Páreo com esse só Milagres em que se pode acompanhar a transformação do charmoso Nicholas du Ville (de Whitney, meu amor) em um personagem chato e desprovido de brilho.

    ResponderExcluir
  7. Para começar eu gostei da intimidade com a autora tratá-la como Juju é demais. E só uma observação, acho que você só desgostou da mocinha porque ficou totalmente a fim do mocinho #prontoFalei. Resenha digna para um bom livro de banca, tudo a ver.

    ResponderExcluir
  8. Ei, Lena e Tícia!


    kkkkk Sempre morro de rir com as resenhas da Tícia! Uhm... Faz MUITO tempo que não leio nenhum romance, mas confesso que ando curiosa sobre a Judith... Li várias resenhas positivas, e já faz algum tempinho que quero ler alguma coisa dela. Acho que vou procurar algum livrinho dela na banca (não esse, claro, porque não quero me decepcionar logo de cara - haha)...


    Ei, meninas, qual vocês acham que é o melhor livro dela (para começar a ler)?


    Um beijo!
    http://lerdormircomer.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Tem algumas mocinhas que realmente enchem a paciência, aff!


    Nome de seguidora: Gladys Freitas.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Posts Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos

Em breve!