Lonely Hearts Club - Elizabeth Eulberg

Mais uma resenha da Nanda aqui no seu cantinho, hoje com vocês: Lonely Hearts Club - Elizabeth Eulberg

Sinopse:

Penny Lane Bloom cansou de tentar, cansou de ser magoada e decidiu: homens são o inimigo. Exceto, claro, os únicos quatro caras que nunca decepcionam uma garota — John, Paul, George e Ringo. E foi justamente nos Beatles que ela encontrou uma resposta à altura de sua indignação: Penny é fundadora e única afiliada do Lonely Hearts Club — o lugar certo para uma mulher que não precisa de namorados idiotas para ser feliz. Lá, ela sempre estará em primeiro lugar, e eles não são nem um pouco bem-vindos. O clube, é claro, vira o centro das atenções na escola McKinley. Penny, ao que tudo indica, não é a única aluna farta de ver as amigas mudarem completamente (quase sempre, para pior) só para agradar aos namorados, e de constatar que eles, na verdade, não estão nem aí. Agora, todas querem fazer parte do Lonely Hearts Club, e Penny é idolatrada por dezenas de meninas que não querem enxergar um namorado nem a quilômetros de distância. Jamais. Seja quem for. Mas será, realmente, que nenhum carinha vale a pena?

 

“Leitura imperdível para qualquer pessoa que já esteve apaixonada... ou que jurou nunca mais fazer isso de novo.” 
Stephenie Meyer, autora de Crepúsculo



Quem é que nunca teve uma decepção amorosa? Penny já teve várias e está de saco cheio dos garotos, então resolve criar o Lonely Hearts Club, para garotas que já passaram pelo que ela passou. De início, ela é a única integrante do clube, mas logo vão surgindo garotas que já tiveram o coração partido.

Os pais de Penny são hilários (aliás, é deles que vem toda essa paixão pelos Beatles no livro). Eles apoiam e cedem a casa para as reuniões de sábado do clube. Até entram em conflito com o diretor da escola, que não está nada feliz com essa história do clube, assim como os garotos da escola que agora não tem mais com quem namorar (rsrs).

Gostei muito da Tracy, a melhor amiga de Penny. Ela é aquele tipo de pessoa exaltada, afobada, está sempre gritando e dando “chiliques”, e também é super engraçada. Enfim, até ela entra para o clube, que se torna um sucesso. Porém, as regras do clube dizem que não é permitido namorar, mas e se a própria fundadora do clube começa a sentir algo diferente por um garoto? 
As regras do clube (escritas por Tracy) são ótimas:

1. Todas as integrantes concordam em não mais namorar homem (ou referindo-se à população masculina da McKinley High, “menininhos”) pelo restante de sua existência escolar. (...) O insucesso no cumprimento desta que é a regra mais sagrada resultará na mais alta punição permitida por lei: correr nua pelos corredores do McKinley depois do almoço.
(...)
3. Sábado à noite é a data oficial das reuniões do Lonely Hearts Club de Penny Lane. A presença é obrigatória, exceção feita apenas a casos de emergência familiar e dias que o cabelo estiver ruim.
(...)
                “As integrantes que violarem as regras acima estarão sujeitas a desligamento do clube, humilhação pública, fofocas maldosas e possível decapitação.”


O livro é bem divertido, um romance bem descontraído. Recomendo!

2 comentários:

  1. Oi, Nanda.

    Li este livro há um ano e apreciei demais a história ainda mais pela trilha sonora dos Beatles que amo!

    Essa turminha foi muito divertida!

    Recomendo a todos que ainda não conhecem, porque é uma leitura agradável!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. KKKKKKKKKKKKKK




    Necessito ler um livro assim.
    Bacio, Selene Blanchard

    MODA E Eu

    Modaeeu.blogspot.com

    Espero sua visita

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos