Enquanto você dormia - Sandra Steffen

Olha a Tícia resenhando hoje um livro super polêmico no universo de banca. 
Eu particularmente adoro essa história, e acredito que certos lances acontecem mesmo, e dependendo das circunstâncias, são até inevitáveis, mas...
Tirem suas próprias conclusões, espero que todos leiam e deixem sua opinião.

Com vocês...

Enquanto você dormia - Sandra Steffen

Sinopse:

Desespero ou Traição?

A adorável Maggie Mckenzie tem tudo o que queria: um marido amoroso, duas lindas filhas e sua irmã, Jackie, amiga e confidente. Quando sofre um acidente de carro e entra em coma, Spence e Jackie se revezam no hospital e recusam-se a aceitar o pior.
Praticamente desenganada, Maggie permanece inconsciente por meses.
Certa noite, cedendo ao desespero, Spence e Jackie buscam consolo nos braços um do outro. Quando toda a esperança parece perdida, Maggie sobrevive e se recupera aos poucos.

Mas tudo havia mudado em sua vida, e sua luta agora é pela reconquista do amor das filhas e do marido. Afinal, o mundo continuara a girar sem ela, mas Maggie quer recuperar o tempo que perdeu e tudo o que se foi com ele. Um ar de mistério, porém, paira ao redor de Maggie, mas ele não consegue desvendar exatamente o que é. O que acontecera enquanto ela estivera em coma?



Arnaldo Jabor, certa vez, escreveu um texto interessante sobre traição e eu vou citar um trechinho para começar a tarefa ingrata de resenhar esse livro:

“O homem é capaz de te trair e de te amar ao mesmo tempo. A traição do homem é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia. (...)
A mulher precisa de um motivo para trair, o homem precisa de uma mulher.”

Embora não ilustrem com precisão as verdades dos fatos nesta história, essas poucas palavras dão uma luz ao que aconteceu em Enquanto você dormia. Mas antes de começar a esculachar geral, quer dizer, antes de começar a falar sobre o livro, preciso dizer algo: homem infiel tem que sofrer. Um sofrimento tipo, apanhar dia-sim e dia-não do Chicão Quebra Dente ou ter seu brinquedinho cortado, para total satisfação da mulher traída.

Tendo dito, vamos à história:

Spencer e Maggie eram casados há mais de dez anos. Tinham duas filhas lindas, um lar bem estruturado e uma vida conjugal perfeita. Porém, uma tragédia lhes sobrevém: Maggie sofre um acidente e entra em coma. Semanas angustiantes vão se passando, até que os médicos comunicam que não tem mais jeito, a solução é desligar os aparelhos.

Assim que recebem a notícia, Spencer e Jackie - irmã de Maggie que todo o tempo auxiliou o cunhado nessa barra pesadíssima - vão para a casa da família. Lá, tomado por um desespero completo e absoluto, ele começa a assistir os vídeos da esposa e a chorar sua perda. Jackie vai até o cunhado com a intenção de consolar e ser consolada e... pimba! Acontece a cachorrada toda!

Bem... Falando assim, parece que foi uma coisa meio programada e intencional. Mas quando você lê esse trecho, é perceptível que foi algo impulsivo, idiota, vazio, carnal e, segunda as próprias palavras do livro, acabou tão rápido quanto começou.
Mas, ainda assim, é traição.
E o mais irônico é que assim que o ato acabou (eles se sentem pior que pulga de gato sarnento) um telefonema traz de volta a felicidade e a esperança: Maggie reagiu.

Assim, nossa mocinha volta do coma e um longo processo de recuperação é iniciado. No meio disso tudo, Spencer e Jackie preferem fingir que nada aconteceu. Ele está felicíssimo com a recuperação da esposa porque a ama de verdade, disso eu não tive dúvida e Jackie, por sua vez, também está contente, mas procura ficar afastada, pois está constrangida com a coisa toda.
Já Maggie, prossegue na sua recuperação e nem desconfia do deslize entre as duas pessoas que mais confia no mundo.

Mas as coisas não seriam assim tão fáceis para os Judas em questão, uai! Dias depois, algo bastante complicado surge para quebrar a frágil tranquilidade que eles tentavam manter a todo custo.
Aí... nuss! A porcariada toda vem à tona.


É difícil falar desse livro. Aliás, é complicado definir meus sentimentos com relação a tudo. Nesta história a traição realmente aconteceu, mas como eu disse antes, foi algo do momento. Spencer estava frágil, triste e... Excitado.
 
É. Na hora que ele pegou a cunhada de jeito, tinha acabado de ter um sonho erótico com a esposa e, como disse Jabor, foi uma coisa hormonal, efêmera, simplesmente para satisfazer a lascívia e a carência.
Fora o fato de a situação toda ter sido meio onírica, o que te leva a pensar se o acontecido foi realmente tão imperdoável assim.
E diante de tudo isso, minha opinião ficou claudicando entre “morte aos dois” e “poxa, dá pra perdoar”. Com ênfase na primeira opção.

É aquele negócio: se tivesse sido com uma vagabunda qualquer, seria mais fácil perdoar e esquecer. Mas... Com a própria irmã? Uma lembrança constante e constrangedora da dor?
Será que é possível passar por cima e seguir em frente?

Bem... É uma pergunta que fica aberta a discussão porque, sinceramente, até agora não sei a resposta. E do jeito que eu sou cruel, já estou pensando no Chicão Quebra Dente...
 
; )

13 comentários:

  1. Nossa, essa é difícil, hein?? Detesto livros com traição, tenho o maior trauma e sofri muito quando meus pais se separaram por esse motivo... então esse é um livro que nunca vou ter estomago para ler...
    Traição é sempre complicada, e com a irmã acho que torna tudo mais difícil... acho que depende muito do tipo de relacionamento que o casal tem para perdoar, mas o mais complicado é confiar novamente... e é nesse ponto que eu não conseguiria, quer dizer que o cara só é fiel enquanto você está ali??
    Ah, já fiquei com vontade de chamar o Chicão pra ele...rss


    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir
  2. Mais uma que chama o Chicão, medo desse cara! kkkk
    Débora, sei que é complicado esse tema e que quem viveu sabe que doi na alma ser traído. Realmente esse é um tema bastante delicado.
    O livro é bom e o final é condizente.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  3. Hahaha... adoro esse humor nada calmo e sincero.
    Bom, eu digo que é perdoável, sim... foi coisa de momento... agora se rolasse antes... era pé na bunda na certa.
    Mas ela não podia ter reagido uns minutos antes??? Quando ver a culpa foi da companhia telefônica que deu zebra e a ligação atrasou...kkkk
    Eu vi o filme apesar de ser com o (argh) Peter Gallagher... mas pelo visto só o título bate.

    ResponderExcluir
  4. Eu não perdoaria este tipo de traição de forma alguma. Pôxa, a mulher/irmã foi desenganada e eles conseguem funcionar? Como assim sentir atração etc para terem uma relação física se sofriam????? E sobre o Jabor, Sei que a maioria das pessoas não concorda comigo, mas acho ele um imbecil :-)
    Bj, Aris.

    ResponderExcluir
  5. Esther Guimaraes Pereira21 de junho de 2012 14:11

    [SPOILER] Pra mim o pior é a irmã engravidar e ter um filho que era o sonho do cara que só tinha filhas. Tipo como que fica as reuniões de família o cara vendo o tão sonhado filho chamando ele de tio, e a coitada da esposa. E sabe eu torci pra ela ter um caso com o fisioterapeuta dela já que rolou um clima, acho que equilibrava as coisas.

    ResponderExcluir
  6. Tici, sua linda:


    #TOPTOPFORADAFILA
    kkkk, to fora de ler livros com temas assim! afeeee


    bj

    ResponderExcluir
  7. obs: Chicão quebra dente?!! De onde vc tira tanta inspiração, menina?! kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. E tu nao vai dizer se perdoou ou nao? bubu
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Tícia! Sou do time "adepta total do Chicão Quebra Dente", entretanto quando li o livro sofri o mesmo dilema que o seu. Provavelmente porque tive problemas maiores com a Maggie... não gostei da personagem, ela não me convenceu, então tendi a dar uma balançada pro lado do sem vergonha do marido. Vai entender! É um livro que desperta paixões... kkk Bjkas!! Monique Martins @moniquemar

    ResponderExcluir
  10. Parabéns
    pela estrutura e conteudo de seu blog, forte abraço. Renato artesanato em
    mdf.

    ResponderExcluir
  11. Oi Leninha, eu não conhecia esta história, aliás, primeira vez que leio alguma coisa sobre ela e pode ter certeza que estou indo atfrás para saber mais detalhes.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  12. Tbm li esse livro,e gostei dele - tirando a parte da traição com a propria irma da mocinha. Dá vontade de matar o mocinho e a irmã da principalAcho q traição não tem perdão.

    Tícia, amo suas resenhas!!São d+ mesmo.

    Bjoss!!!!!!!

    ResponderExcluir
  13. Eu li o livro e gostei...eu perdoaria com toda certeza...

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Posts Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos

Em breve!