Um amor quase perfeito - Sherry Thomas

Eis que Hoje a Tícia nos traz resenha de livro da Wook, que atiçou minha curiosidade, e uma vontade imensa de começar a comprar livros de Portugal.

Com vocês...

Um amor quase perfeito - Sherry Thomas

O amor tem desígnios próprios. Para toda a sociedade de Londres, Lorde e Lady Tremaine tinham a situação ideal: um casamento assente na educação, cortesia e liberdade sob todos os pontos de vista, um casamento perfeito. A razão? Durante os últimos dez anos, marido e mulher residiram em continentes separados. Mas por uma vez, as coisas para os Tremaine alteraram-se. Quando Gigi Rowland pôs pela primeira vez os olhos em Camden Saybrook, a atracão foi imediata e avassaladora. Mas o que começou com uma faísca de paixão terminou em traição na manhã a seguir ao casamento, e agora, Gigi quer ser livre para casar de novo. Quando Camden regressa da América com uma exigência chocante em troca da sua liberdade, a decisão de Gigi terá consequências que ela nunca imaginara, à medida que os segredos se revelam e o desejo se reacende, um dos casais mais admirados de Londres terá de se apaixonar de novo, ou separar-se para sempre.


Nota: esse livro não foi publicado no Brasil. Ganhei de uma amiga do Skoob, a Carla D., que é portuguesa e me mandou lá da Zoropa.


Aí está uma história de amor desconfortável. E minha relação com ela foi, como diria o clássico e primoroso refrão, entre tapas e beijos.

Vou explicar: há algum tempo venho optando por leituras mais leves e desestressantes como, por exemplo, romances mais açucarados e previsíveis, comédias a la Meg Cabot ou suspense tipo Harlan Coben. Simples: como professora de literatura, estou sempre rodeada de livros que muitas vezes são tão interessantes quanto uma corrida de submarinos ou então me fazem olhar para o horizonte e perguntar: “Por quê? POR QUÊ?????”.

Assim, quando posso escolher, eu busco livros que me aliviam a infausta luta cotidiana e que me proporcionam bons momentos de diversão e tranquilidade. Quando se trata de romances, sempre opto pelas histórias simples, bonitinhas e que me deixam com aquele sorrisinho besta e satisfeito na cara.

Um amor quase perfeito está longe de ser assim.
Em algumas partes, esse livro me deixou tensa, falando sozinha, querendo jogá-lo pela janela e pensando seriamente em ir até Portugal para cair no tapa com a Carla.
Mas então... é ruim demais, uai!!!
De jeito nenhum, pelo contrário, a história é excelente! Boa DEMAAAAAIS!

Não, não estou sendo incoerente. Estou apenas tentando mostrar que se você espera uma história de amor açucarada, calma, que fará seu coração bater no ritmo adequado, procure outro livro. Agora, se você quer um bom romance, narrado com requinte, farto de um humor fino e sutil ao estilo Machado de Assis, mas que é conduzido por personagens realistas e com zero em idealização, eu te aconselho a ler Um amor quase perfeito. Correndo!
Eu reafirmo que continuo preferindo histórias mais açucaradas, mas não posso deixar de dizer que valeu a pena cada página lida.

O enredo:

A história é construída através de uma alternância entre passado e presente, isto é, em 1882, quando Camden e Gigi se conhecem, se casam, mas também quando ocorre o grande conflito que separa o casal; e em 1893, quando os dois se reencontram e Camden faz uma proposta inusitada. Essa mescla de contemporaneidade e flashback é muito oportuna porque o passado vai explicando os motivos das atitudes hostis de ambos no presente.
E é em 1893 que nos damos conta do profundo amor entre Gigi e Camden e do quanto ela é burra e ele, o genro que minha mãe tem pedido fervorosamente em suas orações.

Não é birra, nem implicância (já falei que sou uma pessoa implicante?). O caso é que eu tenho um problema sério com personagens, ou melhor, com mocinhos. Se eu não tiver empatia com eles, eu leio o livro com muita má vontade e ainda meto a ripa sem dó. Impiedades à parte, vamos a eles:

Camden... Ganhou meu coração e o resto! Embora tenha seus defeitos, é honesto, leal, sedutor e, para mim, seus erros não foram tãããão graves. Ele fez o que fez movido pela decepção e pela raiva diante do ardil da mulher que amava e confiava. Bem... Se Camden quiser, estou disponível para contatos!

Gigi... Apresento-lhes o motivo da minha tensão. Cheia de uma dualidade brutal, é fria, impulsiva, egoísta, implacável e ao mesmo tempo é franca, bondosa, inteligente e tenaz em seus objetivos. Meus sentimentos por ela oscilaram entre raiva intransigente e simpatia compassiva.
Achei Gigi uma personagem muito complexa; ora eu concordava e compreendia suas atitudes, ora discordava e a chamava de mula, na melhor das hipóteses. Mas, independente da minha opinião, uma coisa é certa: ela mesma foi sua maior inimiga. Por amar demais e não saber lidar com seus sentimentos, Gigi manipulou, trapaceou e enganou. E essas ações lhe renderam 11 longos anos sofridos. Ela aprendeu da pior forma possível que a mentira é capenga e não vai muito longe.

Um amor quase perfeito é o tipo de história que faz refletir, pois está repleta de questões que levam o leitor a se perguntar: “E se fosse comigo? O que eu faria?”.
Além de tudo isso, é um romance realmente muito, muito bonito e com diversas partes dramáticas. Chorona confessa, posso dizer que me emocionei em vários momentos e fiquei embargadíssima em outros. O final, então... nuss! Lindooooooooooo!

Maravilhosa história de amor, narrativa impecável, grandes lições!
Super recomendadíssimo com força!

; )

15 comentários:

  1. Eu tenho, está na minha pilha de leituras. =)
    Parece ótimo.

    bjokas
     

    ResponderExcluir
  2. "estou sempre rodeada de livros que muitas vezes são tão interessantes quanto uma corrida de submarinos ou então me fazem olhar para o horizonte e perguntar: “Por quê? POR QUÊ?????”."

    Primeira professora de literatura que vejo falando isso. A maioria acha que só esses livros valem a pena ser lidos e o resto é menos do que o capacho do chão. 

    Mas ó, ri muito com essa frase e com a resenha. 

    Ainda leio essa autora. Mas acho que comigo vai ser em inglês mesmo, porque português de além-mar não é uma coisa que tenha dado certo comigo. Vá entender. 

    ResponderExcluir
  3. Oi querida!




    Por que será que
    encontramos no meio do caminho algum livro que insistem em querer ser jogado
    pela janela?


     


    Alguns são até mais fortes
    do que eu kkkkkk


     


    Adorei sua resenha!


     


    Concordo com a Lil com
    relação a frase:


     


    "estou sempre rodeada
    de livros que muitas vezes são tão interessantes quanto uma corrida de
    submarinos ou então me fazem olhar para o horizonte e perguntar: “Por quê? POR
    QUÊ?????”."


     


    Alguns eu fico me
    perguntando: "por que eu comprei o livro?"


     


    Bjs!


     

    ResponderExcluir
  4. OI Tonks!
    Pode furar fila. Ele é muito bom!

    Oi liliansilva!
    Pois eu te afirmo que muito professor de literatura pensa como eu, mas não fala. É aquele negócio: alguns livros são excelentes, mas tem outros que me leva a pensar se o autor tava doidão.
    E Um amor quase perfeito é lindo. Se vc lê em inglês, vai lá! É ótimo!!!


    Bjo pra todas

    ResponderExcluir
  5. OI Carla!
    Tem muuuuito livro que fico meu perguntando: eu tava dormindo quando comprei essa porcaria???? rsrsrs

    Leia o livro... vc com certeza não vai querer jogar pela janela!
    Bjoooo

    ResponderExcluir
  6. Amei a resenha! Divertidíssima e captou a essência do livro.

    Ah, eu gosto de um livro complicado, que me faça sofrer. Desde, é claro, que tenha redenção e os personagens sejam apaixonantes. Mas, como eu te avisei, com essa autora talvez vc sempre se sinta assim, pois as mocinhas dela costumam enfiar o pé na jaca. Pelo menos nos livros que eu li. Não podemos dizer que a autora não é original, não é? kkkkkkkkkkkkkkk

    beijão

    ResponderExcluir
  7. Jeanne Rodrigues24 de maio de 2012 16:25

    Eu li a sinopse desse livro em algum lugar e lembrei que eu quero...kkkk

    adooooooro livros como esse....

    Bjos,

    ResponderExcluir
  8. Oi, Tícia.

    Concordo plenamente com você: "estou sempre rodeada de livros que muitas vezes são tão interessantes quanto uma corrida de submarinos ou então me fazem olhar para o horizonte e perguntar: “Por quê? POR QUÊ?????"

    Achei sua resenha muito divertida e sempre tem personagens que deixam nossas emoções à flor da pele, seja tipo ame ou odeie mesmo. rs.

    Tenho vontade de adquirir vários livros da Wook, mas ainda não é pro meu bolso!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. oi Carla D! Livre da ameaça, vc tinha razão: o livro é perfeito. Fora a Gigi que me dá nos nervos às vezes, o livro é ótimo! Nem me fala, mulé! Essas mocinhas ainda me matam do coração.

    Jeanne, pode ler sem medo. É muito bom. Eu abri o berreiro numa hora lá e em outra quis pegar a Gigi de jeito! kkk

    Carla Fernanda, Wook não é pro meu bolso tb, não. Só pela Carla D, mesmo. A gente tem que torcer pra alguma editora sair da letargia e perceber esse livro e publicar por aki.


    Bjo para todas.

    ResponderExcluir
  10. OI Tonks!
    Pode furar fila. Ele é muito bom!

    Oi liliansilva!
    Pois eu te afirmo que muito professor de literatura pensa como eu, mas não fala. É aquele negócio: alguns livros são excelentes, mas tem outros que me leva a pensar se o autor tava doidão.
    E Um amor quase perfeito é lindo. Se vc lê em inglês, vai lá! É ótimo!!!

    OI Carla!
    Tem muuuuito livro que fico meu perguntando: eu tava dormindo quando comprei essa porcaria???? rsrsrs
    Leia o livro... vc com certeza não vai querer jogar pela janela!


    oi Carla D! Livre da ameaça, vc tinha razão: o livro é perfeito. Fora a Gigi que me dá nos nervos às vezes, o livro é ótimo! Nem me fala, mulé! Essas mocinhas ainda me matam do coração.

    Jeanne, pode ler sem medo. É muito bom. Eu abri o berreiro numa hora lá e em outra quis pegar a Gigi de jeito! kkk

    Carla Fernanda, Wook não é pro meu bolso tb, não. Só pela Carla D, mesmo. A gente tem que torcer pra alguma editora sair da letargia e perceber esse livro e publicar por aki.


    Bjo para todas.

    ResponderExcluir
  11. Ticia, lindinha

    Eu tenho, está na minha pilha de leituras. =)
    Parece ótimo. (2)

    Como sempre, sua resenha é 10!!!

    bj 

    ResponderExcluir
  12. Adorei a resenha Ticia. Pena que esse livro ainda não chegou no Brasil.

    Ri um bocado com sua resenha, sem contar na vontade louca de ler o livro e sentir parte da emoção que você sentiu.

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Esse eu ainda não tenho! Já está anotado p/ minha próxima lista de compras na wook.

    ResponderExcluir
  14. Olá pessoal,
    valeu os comentários.
    Pra variar estou com problema na postagem, mas garanto que leio todos! Bjo a todas vcs!

    ResponderExcluir
  15. Eu via a dica desse livro num post do blog da Tonks, sai em busca de mais informações e passei no Skoob e acabei aqui , rs.
    Tícia, vc é mto má, sabia? Agora to me retorcendo pra comprar o livro, kkkkkk.



    Bjus

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos