Resenha Especial - A Religião por Hérida Ruyz

Hoje o espaço é da Hérida, uma blogueira que escreve muito bem e que agrada por suas resenhas de livros que pouca gente conhece, aumentando assim nossa lista de desejos, já que esses mesmos livros são muito bons, mas poucos vistos na Blogosfera literária.
E não podia ser diferente, hoje ela nos traz um livro com um tema polêmico.

Segue Hérida, o espaço é todo seu!

Quando optei pelo tema “resenha especial” pensei que não teria dificuldade em escolher. Ledo engano... Foram tantos livros que me tocaram de forma intensa e ficaram marcados em minhas lembranças, que não foi nada fácil escolher apenas uma resenha. Bem... Sou apaixonada por históricos, principalmente os épicos militares ambientados na era medieval. Então, decidi escolher um livro pouco conhecido, mas que vale a pena ser lido.
É um livro com cenas que, para alguns leitores podem ser consideradas chocantes, pois mostra a crueldade da guerra e dos homens, mas que também declara que do sofrimento pode nascer o amor e a amizade. Não é um livro para qualquer leitor... É para quem tem estômago. E foi exatamente por isso que me apaixonei pela história do personagem Mattias Tanhauser.
Hoje, eu os convido a conhecer “A Religião” do autor Tim Willocks.

O título do livro se refere aos cavaleiros de São João Batista, exército de monges e guerreiros da igreja católica, a elite na arte de guerrear, que eram chamados de "A Religião".

Relata de forma crua os acontecimentos do Cerco de Malta, uma disputa territorial e religiosa entre cristãos e muçulmanos na Europa do século XVI.
Mostra o caos da guerra em uma época em que a luta era travada corpo a corpo, a insanidade e crueldade assolavam os soldados sem trégua. No calor da batalha, não há espaço para moral, arrependimentos e súplicas, onde quem vence é o mais frio e preparado.


~~~*~~~


Mattias é aprendiz de ferreiro, profissão de seu pai, e como filho primogênito herdou os segredos desta arte. No ano de 1540 - com 12 anos - Mattias acorda cedo, feliz, pois irá forjar sua primeira adaga.
Trabalha durante algum tempo, mas inesperadamente vê suas duas irmãs e mãe serem brutalmente assassinadas por homens a serviço do exército Otomano. Cego pela brutalidade que presenciou, utiliza sua adaga, recentemente esculpida e com a lâmina ainda em brasa, para matar os agressores de sua mãe.
Abbas Bin Murad, um grande cavaleiro das forças turcas, vendo que Mattias era um matador antes mesmo de se tornar homem, o toma como escravo e lhe dá o nome de "Ibrahim". Assim, Mattias/Ibrahim é criado e educado entre os muçulmanos, tornando-se um membro da fraternidade dos janízaros, força de elite do exército Otomano.


Em 1565, usando agora o sobrenome Tanhauser, Mattias não luta mais sob a bandeira do Império do Grande Turco e se tornou um mercenário, traficante de ópio, armas, pólvora e dono de uma taverna em Messina, chamada Oracle.

Além-mar, na ilha de malta, “A Religião” se prepara para a invasão, o grande conflito entre a cruzada cristã e a jihad muçulmana. A ilha está prestes a ser atacada pela maior armada já despachada pelo Xá Suleiman, a uma proporção de 10 otomanos para 1 cristão.
A reputação de Tanhauser é conhecida e como domina as técnicas e estratégias de luta do inimigo, é do interesse dos cristãos que ele esteja em Malta durante o cerco.


Com astúcia os cristãos traçam um plano, usam de uma mulher a procura do filho desaparecido, a condessa Carla La Penautier, para convencê-lo a embarcar no último navio para a ilha.

Carla é uma mulher sofrida, mãe solteira em uma época de intolerância e foi separada de seu filho recém-nascido. Ela faz um acordo com Mattias, se encontrar seu filho vivo, se casará com ele e lhe dará o título de conde.
A condessa tem uma protegida, Amparo, e sente grande estima e amizade pela jovem que possui o perigoso dom da visão e nutre um enorme amor pelos animais e natureza.
Amparo é tímida, introvertida, inocente, mas se agarra à vida ferozmente e se recusa a ser fraca e subjugada.

Mattias concorda com os termos e com seu fiel companheiro e sócio Bors, embarca com as duas mulheres para Malta, na expectativa de fazer fortuna com o comércio de armas e ópio. Tanhauser é um saxão aventureiro e que não resiste a um "rabo de saia"... Apaixona-se pelas duas. Com Carla nutre um amor recatado, quase platônico, mas com Amparo vive um romance ardente e libidinoso.
Em plena guerra, Mattias se divide entre se infiltrar no exército muçulmano, aproveitando para comercializar seu ópio, procurar o filho de Carla, lutar e proteger suas amadas.
Ele é desonesto, sujo, rebelde, mas é valente e sua palavra é como rocha, seu carisma conquista a todos.

Em meio aos horrores da guerra Mattias, Bors, Carla e Amparo viverão uma odisseia na busca do menino e acabarão esbarrando em corrupção, cobiça, inveja e ciúmes. Mas conhecerão o amor, a amizade e um companheirismo sem limites.
Passarão por muitas privações, sofrimento e serão assolados sem piedade por tragédias, alguns expiram e outros saem ilesos, porém marcados e mudados para sempre.

~~~*~~~


"Apologia à morte"... Foi o que ouvi de alguns, mas não concordo.
Acho hipocrisia dizer que há maneiras de deixar a guerra mais branda, mostrar o lado bom do ser humano... "colocar panos quentes". A guerra é suja, fétida, purulenta e Tim Willocks não poupa o leitor ao relatar os horrores vistos e cometidos.
A fé sempre foi o maior dos combustíveis do ser humano, atos de extrema crueldade foram e são praticados em seu nome. Foi triste e ao mesmo tempo comovente, ver como o amor a Deus move os homens, até os moribundos se levantam ao chamado de "Cristo e o Batista" (Grito de fé dos cristãos) e também ao clamor dos muçulmanos - "Allahu Akbar" (Deus é o maior).

A narrativa é quase poética... Uma poesia "infernal"!
Willocks explora o lado mais sombrio do homem, impõe ao leitor a percepção da cor, do cheiro e da podridão da morte; o rufar dos canhões, a aflição ao recarregar um rifle enquanto o inimigo o massacra. É emocionante e aterrador.

"Ouvimos os leões do Islã rugirem"

Talvez estivesse em um momento frágil e sensível, pois este livro mexeu comigo como nenhum outro. Chorei, ri em muitos momentos, em outros senti nojo e repulsa; revolta e ódio; carinho e ternura... Muitos sentimentos bons, mas também muitos ruins e perturbadores.


Faz muito tempo que uma história não me leva há um turbilhão de emoções tão contraditórias. A Religião vai para minha coleção e se tornou um dos meus preferidos, talvez..."O" Preferido.

Se você gosta de Romances históricos fortes...Leia agora!



Agradeço a Leninha por esse convite. Ela é uma amiga virtual muito querida. Espero um dia poder conhecê-la pessoalmente.


Parabéns ao Sempre Romântica! Muito sucesso ao blog.




Meu nome é Hérida Ruyz, moro em Santo André - SP. Sou casada, não tenho filhos - só meus bebês de 4 patas -, e trabalho na área da saúde. Tenho verdadeira paixão por livros e, por não ter com quem conversar sobre eles, escrevo minhas impressões no meu blog. Sou fanática por épicos históricos e fantasia. Meus autores favoritos são Conn Iggulden, Bernard Cornwell e George R.R. Martin. Para quem não conhece, meu blog é o Lendo nas Entrelinhas. Beijos a todos!





♥•.¸¸.•♥´¨´♥•.¸¸.•♥•.¸¸.•♥´¨´♥•.¸¸.•♥•.¸.•♥


PS: Não esqueça que comentando nos posts de Aniversário do blog em todo mês de Outubro você concorre a Kits de marcadores Exclusivos! Conto com a participação de todos! 

13 comentários:

  1. Hérida,

    mesmo sendo uma apaixonada pelos históricos não tinha ouvido falar desse livro.

    concordo com vc não tem como deixar uma guerra bela, ela é suja. Alguns livros nos fazem querer achar diferente, bom saber que o autor é fiel ao tema.

    Parabéns por essa resenha linda.

    Bjos,

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lena!

    Oi Herida! A Lena descreveu você de forma perfeita, e com sua resenha só comprovou isso. Maravilhosa! Sem conhecer o título, já ficamos imaginando a história e tudo o que ela nos fará sentir.

    Parabéns!

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi Leninha!

    A Religião é um livro forte, mas que vale a pena. Os meninos que gostam de batalhas medievais e cavaleiros de armaduras vão adorar.rsrs
    Foi um prazer participar da comemoração do aniversário do Sempre Romântica.Parabéns!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Nossa esse personagem me lembrou Thomas Cale (A Mão esquerda de Deus) adorei a dinâmica da história parece ser bem intensa. Adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Leninha.

    Já conheço os escritos da Hérida e ela sempre tem o dom de instigar-nos com os livros que le.

    Também amo livros históricos e, infelizmente, não conhecia este. Parece ser tão denso quanto "A Mão Esquerda de Deus", do Paul Hoffman, que mexeu muito comigo.

    É sempre bom vermos o outro lado de uma guerra, que é sempre sórdida e cruel. Gosto quando o autor narra os fatos sem omiti-los ou suavizá-los, o que torna ainda mais envolvente o enredo.

    Hérida, adorei sua participação aqui no blog da Leninha. ^^

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Uau! Adorei a resenha, é exatamente desse tipo de livro que gosto! Adoro romances históricos e não gosto quando o autor suaviza acontecimentos. Se é pra ser histórico, que mostre como tudo realmente aconteceu.

    Parabéns pela resenha, foi uma ótima escolha!

    ResponderExcluir
  7. Olá, Lena!

    Eu sou fã da Hérida,através das resenhas ela tem o dom de instigar e me deixa doidinha pra ler o quanto antes o livro.

    Beijos
    Luciana
    Não deixe de visitar o Blog - Apaixonada por Romances

    ResponderExcluir
  8. Nossa, Hérida, você conseguiu me deixar com vontade de ler o livro!
    E olha que não sou chegada em livros de guerra, justamente por saber que, para ele ser bom, deve ser crú, violento e... revoltante!
    Vou por a indicação na minha listinha!

    ResponderExcluir
  9. Uau, Hérida... que resenha forte essa >< Realmente é um livro para quem tem estômago, né?!...
    Mas fiquei genuinamente interessada, o livro parece ser muito bom!!!

    ResponderExcluir
  10. Oi Hérida,adorei a tua resenha,estou me roendo para ler este livro,também gosto deste temas.
    Bjnhos.
    Luciane Oppelt

    ResponderExcluir
  11. Hérida, como sempre, suas resenhas é show e quando um livro mexe com vc de todas as formas, vc coloca magistralmente isso na resenha! E nos deixa doidos para ler...

    Já estou colocando o livro na minha lista de compras...

    Parabéns pela resenha! Parabéns pelo "Sempre Romática"

    Bjuss

    ResponderExcluir
  12. Letícia Damas - leticiadamas@yahoo.com.br13 de outubro de 2011 13:02

    Eu nunca fui de ler livros sobre religião confesso que fiquei super curiosa e intrigada com essa resenha. Sofro muita influência dos livros, pelo que vi o que causou a você, já tenho uma base do que causará a mim.
    Mas que crueldade esse exército não?
    "A fé é um poder interno, quem o tem, faz sua vida mudar e das pessoas ao redor tb"
    Gente acreditem sempre na fé!

    Bjos da Lê

    ResponderExcluir
  13. Oi Herida, não conhecia este livro e pela resenha ele é bem forte, tem ingredientes suficientes para se tornar o preferido de várias outras pessoas. Bjs, Rose.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos