Conto: Um olhar para o Horizonte


Novamente eu estava ali naquele lugar.  Sempre que me pegava triste, sem saída ou mesmo quando precisava refletir esse era o meu lugar.
Sentava ali naquela cerca, eu olhava o horizonte, minha cabeça sempre voltada para um passado distante, lá naquele momento onde com uma simples resposta eu mudei o meu futuro.

Eu sabia que não podia unir minha vida à sua, você com um futuro promissor, sonhos tão bonitos para realizar, e eu ali, me sentindo estática, sem saber como liberar você de mim.
Eu não tinha sonhos, não queria mudar, nada me alegrava a não ser estar ao seu lado, mas eu sentia que se continuasse com você eu destruiria a nós dois.
Todos os seus sonhos eram para ser realizados por uma única pessoa, eu não me incluía em nenhum deles, sabia que você não entenderia, que você insistiria em me levar com você.
Quando você me propôs irmos embora daqui, eu senti que havia chegado a hora do adeus.

E posso dizer que doeu, doeu tanto que me matou por dentro. Você tentando me convencer e eu apenas dizendo não, mas diante da sua negação em aceitar eu te feri, disse que me sonhos não incluíam você, que minha vida não tinha as mesmas asas que a sua, que juntos não seriamos nada, e que você precisava me deixar ficar.
E foi assim que vi num canto escondida, você indo embora.

Tentei negar que a culpa de sua tristeza era minha, tentei negar que meu coração estava destruído, tentei negar o meu amor por você!
Hoje, olhando para trás, vejo que fiz bem, que meu pouco tempo de vida ainda pode ser vivido de lembranças, sei que você superou, que está feliz hoje com uma nova pessoa, que tem filhos. 

Tem horas que fico me imaginando aceitando sua proposta, estaríamos juntos hoje, e eu teria limitado sua vida a idas constantes ao hospital, onde passo maior parte do meu tempo.

Vivi bem mais do que os médicos supunham, apesar de minha desistência pela vida, ainda estou aqui.
Não podia obrigar você a estar ao meu lado, por isso não deixei nunca que você soubesse do meu estado de saúde, não queria tê-lo a meu lado por pena, sabia do seu amor e isso me bastava, não o teria comigo por obrigação.

Hoje, olho o horizonte e me recordo dos nossos bons momentos, pelo menos isso seu que é meu, as lembranças, essas me fazem viver um dia de cada vez.
Estou me sentindo cada vez mais fraca, sinto que minha hora está chegando, estou deixando cartas para as pessoas que amo e que magoei, sei que nada irá apagar o quanto as feri, mas sei que pelo menos justificarei meus atos e isso me deixa menos angustiada.

O sol se põe no horizonte, é hora de ir para meu leito no hospital, mas uma sessão de tortura me aguarda, sei que é exagero, sempre fui muito bem tratada lá, mas só de passar meus dias e noites confinada a um leito de hospital é mais que uma punição.
Sou uma pessoa sozinha, não tenho a meu lado, amigos, familiares, consegui afastar todos de mim, quando eles souberem o motivo sei que me odiarão ainda mais, porém sei que um dia terei o seu perdão.

Hora de ir, caminho mansamente, uma hora será mesmo a hora de ir!








Em algum lugar, bem distante dali, um homem acompanha seus filhos num fim de tarde, caminha olhando para o horizonte, olha para o céu e sorri, ele foi feliz, conseguiu realizar todos os seus sonhos. Apenas uma coisa o incomodava,  não tinha a seu lado aquela que o fez sonhar tanto, aquela que escolheu o deixar partir, aquela que ele amou e que o magoou tanto.


Mas a vida é cheia de altos e baixos, ele hoje sente que nada da sua vida seria igual sem seus filhos consigo, mesmo que a mãe não tenha sido aquela que um dia ele sonhou ter a seu lado. Ele então corre para acompanhar o filhos...



Dois destinos separados por um “não”, mas que sempre se encontram num fim de tarde, perdidos num olhar para o horizonte.


18 comentários:

  1. Menina pegou pesado nesse conto, que tristeza, deu até arrepio..kkk
    Bonito conto!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Leninha,

    nesse conto vc transmite mais que amor, vc transmite o sentimento de serenidade.

    Viver um amor assim, capaz de atos tao grandiosos como esse nos faz pensar e refletir nos amores egoistas que existem.

    Parabens mais uma vez.

    Vc ta cada vez melhor.

    Bjos,

    ResponderExcluir
  3. Ai Leninha, vc só escreve contos tristes... Com desencontros, separações. kaposakasodoakd
    Coloca um final feliz muié..rsrsrs
    Não gosto de finais tristes T.T

    Já assistiu Amor e outras Drogas? Lembrei do filme enquanto lia. Acho q vc vai gostar =)

    ResponderExcluir
  4. Adorei Leninha, um belíssimo conto! Mas fiquei triste no final... hehehehe

    ResponderExcluir
  5. Lena. Enquanto lia seu conto ficava me lembrando de um video que adoro.

    Vou colocar aqui para você ver. Acho que você deve conhecer, mas sempre vale a pena ver de novo.

    http://www.youtube.com/watch?v=FT_V0R3DY6Y&feature=BFa&list=PLBDB56A879699DAC2&index=9

    Tantas emoções descritas nessas linhas. Acho que ela deveria ter dado uma chance a ele, chance dele viver com ela mesmo que os momentos passados juntos fossem cheios de dificuldades.

    Adorei!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, Leninha, que lindo! Lágrimas vieram aos meus olhos... e fiquei toda arrepiada. Linda, e muito triste, essa história!

    ResponderExcluir
  7. Leninha,

    Como diz a Ju: Tu é mal carater! Fica me fazendo chorar uma hora dessa. É maldade!

    Adorei o conto.

    ResponderExcluir
  8. Lindo seu conto, Querida!! Vá em frente, você tem muita criatividade.

    ResponderExcluir
  9. Amiga, tive que enxugar as lágrimas, respirar fundo e começar a comentar...
    .... Acontece o tempo todo em alguns lugares diferentes situações como essa, né?
    Vemos até essas situações retratadas em novelas, onde uma avó ao se recordar de um amor antigo e impossível, pára, mira com olhos perdidos no horizonte, talvez a procura da imagem do ser amado... ai ai, dx eu parar por aqui, senão escreverei um conto semelhante... kkkkkkkk

    Muito bom, escreves muito bem. Conseguiu tocar-me com sua escrita, amiga!
    Bjs no Core!

    ResponderExcluir
  10. Já disse que você deveria publicar seus contos!

    Lena, você é dona de uma alma muito sensível! Seu conto me fez chorar e muito!

    beijos amiga! Espero o próximo!

    ResponderExcluir
  11. Leninha... isso não é justo, tô aqui com os olhos rasos d'agua, com vontade de xingar essa mocinha... onde já se viu decidir o destino de todos?? Tudo planejado para "um bem maior"...
    Faz um conto feliz na próxima??

    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir
  12. Ai Lena!
    Que conto mais triste! Mas muito lindo, com certeza! De tocar a alma e fazer chorar!
    E pensar que isso é algo que, algumas vezes, acontece na vida real...
    É triste, mas bonito pensar num amor como esse, capaz de fazer o que for preciso para não fazer aquele que se ama sofrer ainda mais...
    Sincermante, não sei muito o que dizer. Dizem que algumas vezes o silêncio fala mais do que as palavras... Acho que esse seu conto fala disso, suscita isso!

    Lindo, Lena!
    Continue escrevendo!

    Bjus,
    Náh

    ResponderExcluir
  13. Oi, Lena.

    Mais uma vez, você conseguiu emocionar-me com seu conto, que está singelo e ao mesmo tempo transmite uma sensibilidade, com um toque de serenidade em um clima de melancolia.

    Profundamente tocante!

    Só você mesmo, para emcionar-nos com um conto tão triste!

    Assim como a Gabi, espero um dia ve-los publicados.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Oi, Lena!

    Adorei o seu conto! Ele mostra bem o poder de uma escolha, o que pode mudar na pessoa. E também o poder do amor, pois ela deixou ele partir e não o prendeu a seu sofrimento, dando um lindo exemplo de desprendimento.

    Lindo conto! Parabéns!

    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Nossa quanta emoção, tão lindo e tão triste, mas valeu a pena ler cada palavra. Meus parabéns quando sai o livro com esses contos?...que um autografado...e claro aguardo anciosamente pelo próximo.

    Beijoaks elis!!!!!!!

    ResponderExcluir
  16. Oi, Leninha! Lindo! Só pude ler agora, mas fico feliz por acompanhar o seu processo de desenvolvimento na escrita. Dá para notar o quanto seu estilo confessional, intimista, contemplativo vem melhorando a cada texto. Bola pra frente com esse negócio. Ótimo desfecho! Impactante na medida certa.

    Beijocas
    Vivi

    ResponderExcluir
  17. Leninha...
    como é que vc faz uma coisa dessas,meu rímel tá todo borrado.rs
    O conto é lindo,triste,emocionante.

    Adorei!!!

    ResponderExcluir
  18. Leninha mt triste, me deixou até depressiva rs
    Nossa! Perfeito. Você está cada vez mais se superando em seus contos. Parabéns! Lindo, lindo!!!
    bjsss

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos