Conto: Despedida, o reencontro!

Amigos, leitores, seguidores...
Recentemente publiquei aqui no blog o conto Despedida, alguns de vocês devem lembrar...
Então, como prometido segue a continuação, espero que vocês gostem, foi um prazer escrever!
Se vc ainda não leu o conto, leia clicando AQUI.


O dia parecia ser igual a todos os outros, mais um dia de trabalho, frio e solitário, as pessoas apressadas nas ruas, eu com minha rotina de sempre, nada tinha me preparado para o que estava para acontecer.

Há alguns anos atrás passei por um momento desolador na minha vida, nada foi mais torturante do que aquele dia quando cheguei em casa e só encontrei o vazio, a mulher que eu tanto amava havia partido e deixado apenas uma carta, nela nada de explicações ou motivos, apenas um covarde Adeus.

A sensação de abandono me consumiu, li e reli a carta procurando algo em que me apegar para entender, para odiar, para matar aquele amor dentro de mim, mas nada me parecia motivo suficiente.

O perfume e as lembranças me perseguiram durante dias infindáveis, nada me fazia esquecer aquela que me matou por dentro.

Durante os anos de ausência tentei viver, recomeçar, me apaixonar, mas ninguém tinha aqueles olhos, aquele perfume, aquele poder de me fazer sorrir, de me fazer me entregar sem reservas.

Busquei aqueles olhos em cada rosto nas ruas, me tornei um andarilho em busca de algo que jamais teria novamente, vagando pela vida sem rumo.

Ela levou consigo, meu amor próprio, minhas esperanças, minha confiança, me deixou vazio, tão vazio que nunca mais consegui me preencher.

Não pensei muito, mudei de casa, não levei os móveis, não queria nenhuma lembrança dela, mas ela me persegue a cada dia com lembranças.


Agora eis que a vejo sentada ali em plena calçada, os olhos vazios perdidos no nada, as marcas do tempo  visíveis em seu rosto, parece desolada, abandonada, perdida.

Quero fingir que não a vi, fazer com que ela sinta a mesma dor do abandono que um dia eu senti, mas que dor é essa em meu peito? Parece que vou explodir, me sinto sufocando...
Não creio que depois de tanta tristeza, de anos tentando entender e matar qualquer sentimento ainda amo essa mulher...

A raiva que sinto é quase tão grande quanto o amor que um dia senti, mas parece superar tudo dentro de mim.
Agora vendo ela ali imóvel, sinto que ela também sofreu, apesar de não conhecer seus motivos eles devem ter sido fortes, posso ver a dor em seu olhar vago, em sua maneira de curvar o corpo, ela não é mais a mesma, o tempo foi cruel com ela, o sentimento em meu peito ainda é forte, mas não posso mudar o que passou, não dá para consertar o que se quebrou.


Ela olha em minha direção, nossos olhos se encontram, vejo o reconhecimento, um vislumbre de alegria seguida por imensa tristeza... Ela então abaixa os olhos, não tem coragem de me encarar, não é para menos, pela forma que me deixou. 
Então tomo uma resolução... Como na carta escrita há anos atrás vou seguir a risca o que ela me pediu:

“... continue sua vida, Não me procure!”

Assim eu o farei.


Passo por ela sentindo seus olhos sobre mim e me vou, para longe do passado, das lembranças, para longe da única mulher que me fez conhecer o amor, mas que também o levou de mim.



... Aquele parece ser apenas mais um dia normal, as pessoas na rua vivendo normalmente suas rotinas  e um imenso vazio em mim!!!

13 comentários:

  1. Daqui uns dias você está escrevendo um livro de Contos Lena, =)

    Muito bonito seu conto, parabéns, você tem talento. ^^

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Lena!
    Nao estava preparada para ler esse conto hoje, estou num dia ruim!

    Se ele sempre me fez chorar, hoje então... rs

    bjs querida

    ResponderExcluir
  3. Ei Lena,

    Poxa, assim vc me faz chorar :(
    que triste, serviu como uma luva para mim uma parte, infelizmente :P

    Adorei, parabéns está lindo e muito bem escrito. Vc só melhora neste quesito ^^

    bjoo

    ResponderExcluir
  4. Leninha... Minha esperança caiu por terra. Deus que triste. Pq as mais lindas histórias são as mais tristes?

    Mais um conto lindo. Perfeito!

    Espero que você continue escrevendo e nos fazendo apreciar esse dom maravilhoso.

    Super Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Já estou depre, isso afunda mais...kkk
    Bem escrito, meus parabéns.
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Lena, parabéns pelo conto. Mas precisava ser tão triste? Eu tive vontade de pular na frente dele e falar: "Meu filho, você ainda a ama, então para de criancice e vá atrás dela >.< Não deixe-a sozinha... >.<" Fiquei tão triste... :(

    ResponderExcluir
  7. Leni, que triste...e ao mesmo tempo muito emocionante buahhh!!! Espero que vc continue trazendo pra gente contos maravilhosos como esse, vc sabe o que ta fazendo em garota!?!? Amei!!!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Leninha!

    Querida, esse texto acabou comigo. (risos).

    Tem que ter um motivo, o por que do abandono...

    Fiquei impressionada pela sua escrita que lembrou-me muito da Martha Medeiros e, por incrível que pareça, acabei de ler "Fora de Mim", que estou resenhando, onde a personagem passa pela mesma emoção e sentimento do seu personagem. Mas ela teve um motivo!
    Por isso que digo: "Por que?!". Se ele a ama, tem que correr atrás dela e tentar descobrir, porque ela fez isso!!! (risos).

    Desse jeito, você vai acabar escrevendo um livro e vou torcer para que isso aconteça, porque você tem talento para escrever e suas histórias mexem com a alma feminina, principalemnte das românticas, como eu, que torcem por um final feliz!

    Tem que ter continuação, amiga!!!!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Nem preciso dizer que adorei, é triste, concordo com as meninas, mas é tão lindo, romântico e emocionante, que não tem como não gostar.
    Quero a continuação viu!

    Cadê você?? esta sumida do blog viu!
    Já estou com saudades!

    ResponderExcluir
  10. Amiga vc escreve muito bem. Detalha delicadamente cada sentimento. Mas é tão triste...rsrsrsrrs
    Tem que ter um motivo pra esse abandono!
    Eu estou me corroendo de curiosidade.
    Mas contos são assim mesmo certo?!?!
    Eles te deixam livres pra imaginar o que quiser.

    Mas mesmo assim, eu quero maaaaaaaaisssss!!

    Bjinhus e parabéns!!

    ResponderExcluir
  11. ai Leninha que lindo e que triste.

    num posso ler essas coisas q fico com os olhos cheios de lágrimas.

    ResponderExcluir
  12. Sim, Leninha. Lendo o texto antevejo um livro publicado, hein? Mete a mão na massa e invista nesse projeto. A história é muito triste, mas realista em relatar o sofrimento, a indecisão, o vazio, a saudade e angústia. Aprecio muito escritas que jorram confissão, sempre as recebo bem. A sua não foi diferente. Parabéns, amiga!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  13. Leninha,

    pq toda estória com finais tristes se tornam inesquecíveis?

    ai,qta dor e sentimento vc conseguiu transmitir!

    Faço minhas as palavras da Vivi..."Lendo o texto antevejo um livro publicado, hein? Mete a mão na massa e invista nesse projeto. "

    Estarei na primeira fila...

    Bjos,

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por email.
Obrigada!

Editoras Parceiras

Postagens Recentes

Visualizações

Últimos Comentários

Lançamentos